Tamanho de fonte
Atualizado em quinta-feira, 20 de outubro de 2016 - 12h09

Cunha classifica prisão como uma decisão absurda

Essa foi a única declaração pública do político desde sua detenção
Hoje, ex-deputado foi levado para fazer exame no IML / Giuliano Gomes/Estadão Conteúdo Hoje, ex-deputado foi levado para fazer exame no IML Giuliano Gomes/Estadão Conteúdo

Ao sair da sede da Polícia Federal (PF) em Curitiba, na manhã desta quinta-feira, o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) classificou a prisão dele como uma "decisão absurda". Essa foi a única manifestação pública do político desde que foi detido.

 

Em seguida, Cunha foi levado para fazer o exame padrão de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML) da capital paranaense.

 

Após o exame, Cunha retornou para a Superintendência da PF. Segundo a polícia, o ex-deputado está em uma cela individual, separada dos demais presos da Operação Lava Jato. A corporação informou ainda que não há previsão de tomada de depoimento do ex-presidente da Câmara dos Deputados.

 

Veja o momento em que Cunha faz a declaração:

 

Eduardo Cunha foi preso nessa quarta-feira, em Brasília, pela Polícia Federal, depois que o juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância, emitiu a ordem de prisão preventiva. 

 

A prisão foi decretada na ação penal em que o deputado cassado é acusado de receber R$ 5 milhões, que foram depositados em contas não declaradas, na Suíça. O valor seria oriundo de vantagens indevidas, obtidas com a compra de um campo de petróleo pela Petrobras em Benin, na África, segundo a PF.

 

O ex-deputado divulgou uma nota em sua defesa, antes de embarcar para Curitiba. Ele chamou de “absurda” a decisão do juiz federal Sérgio Moro de determinar sua prisão, alegando que teria base em uma ação extinta no STF (Supremo Tribunal Federal). Cunha disse ainda que seus advogados tomarão “medidas cabíveis para enfrentar essa absurda decisão”.

 

Você viu?

Boechat: Lava Jato não irá aceitar facilmente delação de Cunha

Prisão de Cunha aumenta temor no meio político

 

Saiba mais:
Cunha tinha dinheiro ilegal no exterior pelo menos desde 2000