Tamanho de fonte
Atualizado em quinta-feira, 20 de outubro de 2016 - 20h19

Maia: possível delação de Cunha não preocupa

Para presidente da Câmara, situação não prejudicará governo Temer
Para Maia, prisão de Cunha não atrapalhará votações das propostas econômicas do governo Temer / Adriano Machado/Reuters Para Maia, prisão de Cunha não atrapalhará votações das propostas econômicas do governo Temer Adriano Machado/Reuters

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que não está preocupado com uma possível delação premiada do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso preventivamente nessa quarta-feira. Para Maia, uma eventual colaboração do peemedebista com a Justiça também não deve prejudicar o governo Michel Temer (PMDB).


"Não tem problema. Não recebi nenhum recado", afirmou Maia, ao ser questionado sobre recados que Cunha tem enviado, por meio de aliados, de que poderia apontar possíveis crimes cometidos pelo atual presidente da Câmara e por Moreira Franco, secretário do Programa de Parcerias e Investimentos do governo federal e sogro de Maia. "Não recebi nenhum recado. (...) Minha relação com ele sempre foi política", disse.

Maia também avaliou que a prisão do ex-deputado não deve atrapalhar as votações das propostas econômicas do governo Temer na Casa. "Tenho convicção de que governo Michel Temer vai aprovar as matérias no momento adequado", afirmou. "Não acredito mesmo que nenhuma delação (de Eduardo Cunha) vá prejudicar o governo", acrescentou, em entrevista coletiva ao chegar à Câmara.

O deputado do DEM afirmou ainda que a prisão preventiva de Cunha foi uma "notícia triste". "A prisão de um ex-presidente da Casa não é uma notícia feliz para ninguém", afirmou. Maia não quis comentar a permanência do ex-deputado no apartamento funcional da Câmara, mesmo mais de um mês após ter o mandato cassado. "Não vamos polemizar nisso", disse, afirmando que a Casa cuidará do assunto.

Leia também:

Cunha é excluído de grupo do PMDB no WhatsApp

Bergamo: Cunha pode fazer delação pela mulher

Saiba mais:
Cunha tinha dinheiro ilegal no exterior pelo menos desde 2000