Tamanho de fonte
Atualizado em sexta-feira, 21 de outubro de 2016 - 21h33

Okamotto chama FHC e Sarney como testemunhas

Presidente do Instituto Lula é acusado de lavagem de dinheiro
O presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto / Nilton Fukuda/Estadão Conteúdo O presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto Nilton Fukuda/Estadão Conteúdo

O presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, vai arrolar como suas testemunhas de defesa os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e José Sarney (PMDB) na ação criminal da Lava Jato aberta contra ele por lavagem de dinheiro. A informação foi divulgada pela assessoria de Okamotto.

 

Além dele, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a mulher do petista, Marisa Letícia, o empreiteiro Léo Pinheiro e outros quatro investigados são réus na mesma ação.

 

A decisão de chamar FHC e Sarney como testemunhas foi tomada pela defesa de Okamotto. 

 

Nesta ação, o presidente do Instituto Lula é acusado de lavagem de dinheiro no episódio envolvendo o pagamento à OAS do aluguel de um espaço para abrigar os presentes recebidos pelo petista durante seu mandato na Presidência, após ele deixar o Planalto.

 

Entre 2011 e 2015 a OAS gastou R$ 1,3 milhão com o aluguel de um galpão da empresa Granero para guardar os bens a que Lula se refere como 'tralhas'.

 

O próprio Okamotto admitiu ter procurado a empreiteira para ajudar no estoque dos brindes. Para a Lava Jato, esse valor seria parte da propina da empresa que teria beneficiado o ex-presidente Lula no esquema de corrupção na Petrobras, além da compra e reforma no triplex no Guarujá que a investigação atribui ao petista e que custaram R$ 2,4 milhões.

 

Além dos ex-presidentes como testemunhas, a defesa de Okamotto divulgou por meio de nota que vai utilizar todo o índice e imagens do acervo de Lula. "São milhares de camisas, bonés, esculturas populares, livros e cartas que provam que se trata material que só tem valor histórico e cultural. Não houve vantagem alguma, ainda mais ilícita. Como testemunhas serão arrolados os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e José Sarney. Será apresentada uma exceção de suspeição do juiz Sérgio Moro e de incompetência", afirma o advogado.

 

A assessoria de FHC informou que ele não iria comentar o caso. A reportagem entrou em contato com a assessoria de Sarney, mas o ex-presidente ainda não se posicionou sobre o caso.

 

Você viu?
PF investiga terreno destinado ao Instituto Lula
Justiça nega habeas corpus preventivo a Okamotto