Tamanho de fonte
Atualizado em domingo, 19 de março de 2017 - 11h43

Em comunicado, BRF nega papelão em produtos

Empresa afirmou que unidade fechada pela Operação Carne Fraca responde por menos de 5% da produção
BRF diz em comunicado que papelão em carne foi mal-entendido / Paulo Whitaker/Reuters BRF diz em comunicado que papelão em carne foi mal-entendido Paulo Whitaker/Reuters

A BRF, conglomerado alimentício que inclui as marcas Sadia, Perdigão e Qualy, afirmou em nota neste sábado (18), que a sua unidade de produção de carne de frango e peru na cidade goiana de Mineiros, fechada pelo Ministério da Agricultura após a Operação Carne Fraca da Polícia Federal, responde por menos de 5% da produção da companhia e negou a utilização de papelão em seus produtos.

 

Em longo comunicado à imprensa, a companhia disse ainda que a fábrica interditada possui três certificações internacionais e "está habilitada para exportar para os mais exigentes mercados do mundo, como Canadá, União Europeia, Rússia e Japão".

 

A companhia teve um executivo com prisão decretada na operação de sexta, que apontou um esquema de pagamento de propina a fiscais do ministério.

 

O executivo se entregou à polícia no sábado ao retornar de viagem a trabalho, e a BRF garantiu que "não compactua com práticas ilícitas e refuta categoricamente qualquer insinuação em contrário". Disse ainda que está "acompanhando as investigações e dará todo o suporte às autoridades".

 

Papelão

 

Sobre a suposta inclusão de papelão em produtos da companhia, apontada em gravação telefônica feita pela Polícia Federal, a BRF disse se tratar de "um grande mal-entendido na interpretação do áudio capturado".

 

"O funcionário estava se referindo às embalagens do produto e não ao seu conteúdo. Quando ele diz 'dentro do CMS', está se referindo à área onde o CMS é armazenado. Isso fica ainda mais claro quando ele diz que vai ver se consegue 'colocar EM papelão', ou seja, embalar o produto em papelão, pois esse produto é normalmente embalado em plástico", disse a empresa.

 

"Na frase seguinte, ele deixa claro que, caso não obtenha a aprovação para a mudança de embalagem, terá de condenar o produto, ou seja, descartá-lo."

 

Veja também: Confira a lista de empresas citadas na Carne Fraca


A companhia garantiu ainda que "nunca comercializou carne podre e nem nunca foi acusada disso" e afirmou lamentar que "parte da imprensa tenha inserido o seu nome de maneira equivocada em reportagens que tratam desse assunto".

 

"A BRF vem a público manifestar seu apoio à fiscalização do setor e ao direito de informação da sociedade com base em fatos, sem generalizações que podem prejudicar a reputação de empresas idôneas e gerar alarme desnecessário na população", afirmou o comunicado.

 

Leia mais:

'Carne Fraca' poderá afetar vendas no exterior


Você viu?

Temer convoca empresários do setor agropecuário para reunião