Tamanho de fonte
Atualizado em domingo, 19 de março de 2017 - 18h32

Dilma diz que governo quer impedir que candidatos como Lula estejam à disposição do povo

'Não vamos permitir um segundo golpe', afirmou a ex-presidente
Os ex-presidentes Lula e Dilma na inauguração popular da transposição do Rio São Francisco / Josemar Gonçalves/Tripé Fotografia/Estadão Conteúdo Os ex-presidentes Lula e Dilma na inauguração popular da transposição do Rio São Francisco Josemar Gonçalves/Tripé Fotografia/Estadão Conteúdo

A ex-presidente Dilma Rousseff chamou de "mentira" a inauguração feita na semana passada pelo governo federal da transposição do Rio São Francisco, na Paraíba.

 

Ao lado de Lula e do governador Ricardo Coutinho em um palco montado às margens da obra, Dilma disse que não haverá "tapetão" nas eleições de 2018.

 

"Não vamos permitir um segundo golpe. O objetivo deles é impedir que candidatos populares sejam colocados à disposição do povo. O Lula é esse candidato", afirmou Dilma. "No tapetão, não", completou a ex-presidente, dizendo que os brasileiros têm um encontro marcado com a democracia em outubro de 2018.

 

Temer esteve na semana passada na inauguração da obra e afirmou que não quer ter a paternidade da transposição do Rio São Francisco. "Não quero a paternidade desta obra, ninguém pode tê-la. A paternidade é do povo brasileiro e do povo nordestino", disse Temer, em uma indireta ao ex-presidente Lula, em cujo governo foi iniciada a construção do canal.

 

A declaração foi feita após ex-presidentes petistas reivindicarem a autoria das obras na região.

 

Leia também:
Defesa de Dilma volta a pedir acesso às delações da Odebrecht
Primeira sentença de Lula deve sair até o meio do ano, diz Dallagnol
Lava Jato reacende debate sobre mudanças no sistema eleitoral