Tamanho de fonte
Atualizado em quinta-feira, 18 de maio de 2017 - 00h28

Temer diz que vida segue e mantém agenda após denúncia

Deputado Alfredo Kaefer (PSL-PR) contou como presidente reagiu sobre notícia da gravação da conversa com o dono da JBS
Segundo parlamentar, Temer estava tranquilo / Ueslei Marcelino/Reuters Segundo parlamentar, Temer estava tranquilo Ueslei Marcelino/Reuters

"A vida continua e, como sempre, tenho agenda amanhã às oito horas", disse o presidente Michel Temer, aos parlamentares e ministros que se reuniam com ele, no Palácio do Planalto, segundo contou o deputado Alfredo Kaefer (PSL-PR), que participou do encontro e lhe prestou solidariedade. Temer, que estava "tranquilo", de acordo com o deputado, agradeceu o apoio de todos e emendou: "vida que segue".

Desde pouco depois das 19h30, quando foi publicada a primeira notícia sobre a gravação da conversa do Temer com o presidente da JBS, na qual o presidente da República teria endossado o pagamento de uma mesada para o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha se manter calado, a incerteza e perplexidade tomou conta do Planalto. Nove deputados que já chegavam no terceiro andar do palácio para uma reunião com Temer foram dispensados, com cancelamento do encontro. Mas alguns permaneceram para cumprimentar o presidente e lhe prestar apoio. Foi o caso de Alfredo Kaefer.

Veja mais detalhes da gravação que complica Temer:


O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), que é o responsável pela aceitação ou não do pedido de impeachment de Temer, já apresentado no Congresso, logo chegou ao Planalto e ficou com Temer pelo menos até às 22 horas, quando deixou o Planalto e a reunião com os parlamentares e ministros foi encerrada. Deputados ligados à reforma da Previdência, como Carlos Marum (PMDB-MS), Arthur Maia (PPS-BA) e os líderes Lelo Coimbra (PMDB-ES) e Agnaldo Ribeiro (PP-PB), entre outros, também estiveram com Temer.

O clima era de consternação e um entra e sai tomou conta do terceiro andar do Planalto. Temer deixou o Palácio do Planalto depois às 22h25, quando ocorria uma manifestação pedindo a sua saída do governo. O presidente não viu o protesto.

Leia mais:
'Se JBS delatar, será o fim da República', disse Cunha
Gravação mostra Aécio pedindo propina de R$ 2 milhões
Manifestação no Palácio do Planalto tem tumulto


Fotos: os protestos pedindo o impeachment de Temer