Tamanho de fonte
Atualizado em quarta-feira, 28 de novembro de 2012 - 08h49

Lula será convidado para depor sobre Rose

Ex-assessora é investigada por corrupção e tráfico de influência; os dois trocaram pelo menos 122 telefonemas neste ano, segundo a PF
Rosemary é acusada de integrar um esquema de venda de parecer para empresas / Julia Moraes/Folhapress/ Arquivo Rosemary é acusada de integrar um esquema de venda de parecer para empresas Julia Moraes/Folhapress/ Arquivo

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva será convidado para explicar no Congresso a relação com a ex-chefe de gabinete da presidência em São Paulo Rosemary Nóvoa Noronha, demitida depois de ter o nome envolvido nas investigações da Operação Porto Seguro.

Leia outras matérias do Metro Brasília

Os parlamentares de oposição querem explicações sobre a informação publicada pelo Metro na segunda-feira. Lula e Rose, como é conhecida, trocaram pelo menos 122 telefonemas entre março do ano passado e outubro deste ano - um média de uma ligação a cada cinco dias, segundo apontam as investigações da Polícia Federal.

Como o Congresso não tem poder para convocar o ex-presidente, os oposicionistas esperam, porém, o compartilhamento de informações pedido para a  Polícia Federal antes de formalizar o convite. “Tentar associar o nome de Lula a uma funcionária de terceiro escalão é fazer uso político de um esquema que já está sendo investigado e, inclusive, já conta com providências do governo”, protestou o deputado Cândido Vacarezza (PT-SP).

Lula ainda não fez comentários sobre as investigações da Polícia Federal. Procurado, o Instituto Lula informou que o ex-presidente não vai se pronunciar.

Gabinete em SP sofrerá mudança

Criado em 2003 pelo Lula, o gabinete regional da Presidência da República, em São Paulo,  sofrerá mudanças após a demissão da ex-chefe de gabinete Rosemary, acusada de integrar um esquema de venda de parecer para empresas.

O cargo, até segunda ordem, não terá um substituto. A definição de agenda e  de encontros com autoridades na capital paulista ficará sob a responsabilidade do gabinete, em Brasília. O Palácio do Planalto afasta, pelo menos por enquanto, a possibilidade de fechar o escritório, localizado no 17º andar do prédio do Banco do Brasil, na Avenida Paulista.

Da estrutura original, ficarão um assessor e duas assessoras técnicas, que têm cargos de confiança com  salários entre R$ 6,8 mil e R$ 2,6 mil. A investigação da Casa Civil deverá apontar se houve participação de  servidores do gabinete regional nas fraudes apontadas pela Polícia Federal.

A presidente Dilma Rousseff tem usado pouco o escritório na capital paulista. Segundo a agenda oficial, foram  somente seis reuniões no  local este ano. Em três oportunidades, a presidente manteve encontros com o Lula em 13 de abril, 5 de setembro e 10 de outubro.

Confira outras edições do Metro em todo país