Tamanho de fonte
Atualizado em quarta-feira, 13 de setembro de 2017 - 17h12

Música moderna é destaque de concerto da AM Filarmônica

Peças de Luciano Berio, Carl Nielsen e Claude Debussy integram o repertório do concerto
Concerto contará com a participação da soprano Isabelle Sabrié. / Bruno Zanardo/Secom Concerto contará com a participação da soprano Isabelle Sabrié. Bruno Zanardo/Secom

Luciano Berio foi um dos maiores compositores do século XX. Sendo um dos representantes oficiais da chamada Música de Vanguarda, Berio estudou no Conservatório de Milão, e por causa de um acidente com uma pistola ainda no início da Segunda Guerra Mundial, dedicou-se inteiramente à composição até sua morte, em 2003. As obras de Berio, em sua maioria, envolvem a participação de orquestra e voz, esta última, nem sempre cantada.

 

E para celebrar a obra de Berio, a Amazonas Filarmônica apresenta concerto nesta quinta-feira, 14. a partir das 20h, no Teatro Amazonas. Sob a regência de Otávio Simões, o concerto integra a Série Guaraná XIV.

 

O espetáculo terá venda de ingressos, que já podem ser adquiridos na bilheteria do Teatro.

 

No repertório do concerto, que ainda terá a participação da cantora lírica, a soprano Isabelle Sabrié, constarão obras de Berio, do dinamarquês Carl Nielsen e do francês Claude Debussy.

 

Sabrié será a solista da obra Folk Songs, de Berio, composta em 1964 e escrita como tributo à esposa do compositor, a cantora americana Cathy Berberian, de ascendência armênia.

 

De Debussy, com quem o concerto abre, a Filarmônica interpreta o Noturno No. 2, intituladoFestas. Composto entre 1897 e 1899, Festas, junto com mais dois movimentos – Nuvens eSereias – é parte de uma peça só, intituladaNoturnos, que estreou em Paris, no ano de 1900. Seu compositor é considerado um dos pioneiros do Impressionismo na música, além de ser uma espécie de ponte entre este período e o período anterior, o Romantismo.

 

Para encerrar o espetáculo, a Amazonas Filarmônica executa a Sinfonia No. 5, op. 50, de Carl Nielsen. A obra, escrita em 1922, é considerada uma das maiores sinfonias do século XX, com duas partes no primeiro movimento e quatro partes no segundo. Seu compositor foi violinista da Orquestra Real Dinamarquesa e professor da Real Academia de Música Dinamarquesa, e ainda em vida, escreveu mais de 200 obras, entre óperas, música de câmara, música sinfônica, música coral, entre outros.