Tamanho de fonte
Atualizado em terça-feira, 8 de abril de 2014 - 11h38

Professor faz questão sobre Popozuda em prova

Segundo Antonio Kubitschek, intenção era colocar em debate papel da mídia na formação de valores da sociedade
Alunos divulgaram imagem da prova nas redes sociais / Reprodução/Facebook Alunos divulgaram imagem da prova nas redes sociais Reprodução/Facebook

Um professor de uma escola pública de Taguatinga, no Distrito Federal, aplicou uma pergunta sobre Valesca Popozuda em um teste a seus alunos. O fato ganhou grande repercussão pelo fato do docente Antonio Kubitschek tê-la considerado uma “grande pensadora contemporânea”.

 

Em entrevista à BandNews FM, Kubitschek explicou que a questão foi feita em um contexto de debate sobre formação moral e valores da sociedade. Uma das formas de exemplificar o argumento, segundo o professor, foi mostrar o papel da imprensa nos valores da sociedade. "E essa discussão levou um tempo em sala e eu resolvi que a gente podia fazer um teste disso na escola: quando é que a imprensa vem para a escola? Em um fato positivo ou em um fato negativo?", disse em conversa com Ricardo Boechat.

 

Kubitschek lembra que o fato positivo aconteceu há pouco tempo, com uma exposição de fotografias tiradas pelos alunos. "Nós passamos dois dias com belas fotos [expostas]. Os alunos puderam participar disso, mas a imprensa não apareceu. Então, eu resolvi colocar uma questão que pudesse ir para a rede social e aí ‘vamos ver o que acontece’. E esse fato aconteceu [tanto] que a imprensa apareceu". A questão foi a seguinte:

 

"Segundo a grande pensadora contemporânea Valesca Popozuda, se bater de frente":

A - é tiro, porrada e bomba (resposta correta)

B - beijinho no ombro 

C - recalque

D - vida longa

 

Kubitschek considera preconceito não aceitar Valesca Popozuda como uma pensadora contemporânea. "Eu acho um fato engraçado porque, se eu tivesse colocado ‘Chico Buarque, grande pensador contemporâneo’, não geraria polêmica nenhuma", observa. Ele diz ainda que havia tratado com os alunos em aulas anteriores o fato de a imprensa abordar apenas notícias ruins nas escolas e garante que colocou a pergunta também para mostrar que os repórteres são atraídos por polêmica.

 

O professor também explica que a pergunta era de interpretação de texto dentro do contexto do debate e que não escreveu a questão pensando no conhecimento que os alunos do Centro de Ensino Médio 3 tinham da música. "Eu diria o seguinte: a partir do momento em que a Valesca traz uma música e essa música é passada por vários famosos, por toda a mídia e você pega a imprensa e está lá ‘Fulano de tal deu beijinho no ombro’, ela está passando um conceito. Se a gente pegar uma tendência filosófica de que todo mundo pode ser um pensador desde que consiga criar um conceito, eu acho que a Valesca é, sim, uma pensadora”.

 

Sobre a reação de alguns pais, que não gostaram da pergunta, Kubitschek diz que eles não estariam atentos ao que seus filhos estão aprendendo em aula. "A reação dos pais dos alunos foi por desconhecimento do que estava acontecendo na própria sala de aula. O debate sobre a formação moral estava sendo feito em sala de aula: o papel dos meios de comunicação, do professor, dos pais. Como é que a gente forma os conceitos morais da nossa sociedade?", lembra.

 

Antonio Kubitschek tem 43 anos de idade e leciona há 19 sempre na escola pública. Ele também esclarece que não é parente do presidente Juscelino Kubitschek. Seu pai, fã dele, colocou o sobrenome do político em seu filho. "É uma homenagem de família", recorda.