Tamanho de fonte
Atualizado em terça-feira, 24 de janeiro de 2017 - 16h19

SP: vídeo mostra detentos sendo recapturados

Rebelião causou a fuga de presos em penitenciária de Bauru nesta terça

 

Um vídeo mostra um grupo de presos sendo recapturado pela polícia após a rebelião seguida de fuga do Centro de Progressão Penitenciária (CPP3) Professor Noé Azevedo (antigo Instituto Penal Agrícola) na cidade de Bauru, interior de São Paulo, nesta terça-feira. 

 

Segundo o Centro de Operações da Polícia Militar (Copom), 152 presos conseguiram fugir durante a rebelião. Os detentos recapturados passarão a regime fechado.

 

A Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) afirma que agentes de segurança e a Polícia Militar realizam a contagem dos presos - 93 já foram recapturados.

 

A penitenciária tem capacidade para 1.124 internos, mas estava com 1.427 presos. O Instituto Penal funciona em regime semiaberto e está localizado na Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros, altura do quilômetro 349, na zona rural.

 

No regime semiaberto, a pena deve ser cumprida em colônia agrícola ou industrial (ou estabelecimento similar). A pena está atrelada ao trabalho e pode haver redução do tempo de prisão de acordo com o número de dias trabalhados.

 

O presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Estado de São Paulo, Daniel Grandoulfo, disse que não há briga de facções no local porque somente integrantes do PCC estão abrigados lá. A principal reclamação dos detentos para a rebelião seria a disciplina rígida.


Veja fotos da rebeliãoLeia também

Entenda por que famílias de presos mortos são indenizadas

Defensoria cadastra famílias de detentos mortos em rebeliões

 

Disciplina rígida

Nesta manhã, durante revista de rotina, os detentos causaram tumulto na unidade e alguns fugiram depois que um agente de segurança repreendeu um preso que estava se comunicando através de celular.

A SAP afirma ainda que a situação já está controlada e não houve reféns.

O presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Estado de São Paulo, Daniel Grandoulfo, disse que não há briga de facções no local porque somente integrantes do PCC estão abrigados lá. A principal reclamação dos detentos para a rebelião seria a disciplina rígida.

Clima tenso

Ouvintes da Rádio Bandeirantes afirmam que o clima em Bauru nesta tarde é tenso depois da fuga de bandidos do Centro de Progressão Penitenciária da cidade. O policiamento foi reforçado em vários locais. No Centro de Bauru e no bairro Alto da Cidade alguns estabelecimentos comerciais já fecharam as portas com receio de assaltos.


Boechat: Brasil tem uma república independente há 11 dias em Alcaçuz