Tamanho de fonte
Atualizado em quarta-feira, 8 de março de 2017 - 15h20

Maria da Penha: mulheres de cidades menores têm mais medo de denunciar

Mulher símbolo da resistência contra a violência doméstica e líder de movimentos sociais falou sobre os motivos que desencorajam as denúncias
Em 2016, Maria da Penha participou da sessão no Congresso que celebrou os 10 anos da lei que leva seu nome  / Marcelo Camargo/Agência Brasil Em 2016, Maria da Penha participou da sessão no Congresso que celebrou os 10 anos da lei que leva seu nome Marcelo Camargo/Agência Brasil

As mulheres de cidades pequenas e no interior do país ainda têm medo de denunciar a violência doméstica. A avaliação é da líder de movimentos de defesa dos direitos humanos Maria da Penha.

Ela falou com a rádio BandNews FM, no Dia Internacional da Mulher, e repercutiu ainda a pesquisa DataFolha.

Maria da Penha viveu durante 23 anos um casamento em que cotidianamente sofria agressões do marido. Ele tentou, por mais de uma vez, matá-la. Maria foi atingida por um tiro nas costas enquanto dormia e ficou paraplégica.

Leia: Maria da Penha tornou violência condenável

Hoje, é grande interlocutora e símbolo da resistência feminina contra a violência doméstica. A lei que leva seu nome pune há 11 anos casos de agressão e teve papel fundamental no encorajamento ás denúncias.

Datafolha


A pesquisa Datafolha divulgada nesta quarta-feira (8), Dia Internacional da Mulher, revelou que uma a cada três brasileiras entrevistadas afirmou ter sofrido algum tipo de violência durante o ano passado.

Desse número, 52% confirmou que não realizou denúncia da agressão. Um índice alarmante que ressalta o medo das mulheres com a possível punição ao companheiro.

Segundo Maria da Penha, esse percentual é reflexo de uma mistura de fatos. Ela atenta para o número de denúncias que é ainda menor em cidades do interior. Além da mentalidade da sociedade, Maria também diz que é importante entender a ação pública realizada nesses lugares.

“Pequenos e médios municípios ainda estão desassistidos com essas políticas públicas que fazem com que a mulher tenha coragem de denunciar", afirmou.

Já jogou? Quiz: 8 mulheres que marcaram a história

Outro fator crucial é o papel exercido pelo Estado, que segundo ela, “tem que dar através de seus agentes o exemplo e punir o agressor que bate em mulher”. Muitos casos de violência não denunciados partem, em sua maioria, do medo da mulher de que o agressor seja preso e volte ainda mais violento.

Escute a entrevista de Maria da Penha para a BandNews FM:


Instituto


Maria também comentou as dificuldades financeiras enfrentadas pelo seu Instituto. Recentemente, um financiamento coletivo foi aberto para arrecadar quantias e ajudar na subsistência da organização que atua a partir de parcerias com universidades e empresas na promoção de ações educativas e conscientização de comunidades sobre a causa.

Leia também:
Feminismo ‘pop’: o que mudou para as mulheres?
‘Dia sem mulheres’: 5 coisas que você precisa saber
Paridade salarial entre homens e mulheres só será alcançada em 170 anos, diz ONU


Mulheres no Comando: assista o 1º episódio da série do Jornal da Band