Tamanho de fonte
Atualizado em sábado, 15 de julho de 2017 - 10h52

SP: Motorista que causou acidente na Bandeirantes está preso

Artur Falcão Sfoggia fugiu sem prestar socorro; uma pessoa morreu
Carro do comissário de bordo Alexandre Stoian, que morreu carbonizado  / Rádio Bandeirantes Carro do comissário de bordo Alexandre Stoian, que morreu carbonizado Rádio Bandeirantes

O motorista do carro que provocou um acidente em que um homem morreu carbonizado na Avenida dos Bandeirantes, Zona Sul da capital paulista, nesta sexta-feira está preso na delegacia do Brooklin.

O advogado Artur Falcão Sfoggia, de 33 anos, passou por exame no IML e deverá ser indiciado por homicídio com dolo eventual, quando se assume o risco de matar.

Sfoggia dirigia, em alta velocidade, um veículo Jetta de cor prata que atingiu, na madrugada, o Peugeot conduzido pelo comissário de bordo Alexandre Stoian, de 43 anos. O carro do funcionário da empresa aérea Gol pegou fogo. Ele estava com a mulher, que conseguiu escapar.

Em depoimento à polícia, ela disse que tentou salvá-lo, teve a ajuda de outros motoristas, mas as chamas consumiram o veículo. Artur, que estava com o primo Alex Sfoggia Rigon, que é de Chapecó, em Santa Catarina, abandonou o carro no local.

Café com Jornal: Esposa do comissário de bordo tentou salvá-lo


Depoimento

Poucas horas depois do ocorrido, investigadores do 27º distrito policial, no Campo Belo, identificaram Artur e foram até o prédio onde ele mora, a poucos quarteirões da região.

Aos policiais, o advogado afirmou que se apresentaria depois na delegacia do Brooklyn, onde as investigações estão ocorrendo.

Artur e o primo chegaram ao DP por volta de 9h30 acompanhados de advogados. Eles foram ouvidos e, de início, deram a versão de que Artur estaria levando o primo ao aeroporto.

Mas a polícia insistiu e os dois admitiram que voltavam do Villa Country, uma casa de shows na Zona Oeste da cidade.

Fuga

No veículo Jetta, a Polícia Civil encontrou uma cerveja, copos e um material que, de acordo com os investigadores, seria droga - crack e maconha - mas tudo será periciado.

O carro estava em alta velocidade e a polícia investiga se eles estavam participando de um racha. No depoimento, os dois alegaram que o veículo deles estava sendo perseguido por outro automóvel.

Carro do advogado Artur Falcão Sfoggia
Ao fundo, veículo do advogado Artur Falcão Sfoggia (Foto: Rádio Bandeirantes)


A Polícia Civil requisitou imagens de câmeras da CET para confirmar a sequência dos acontecimentos. A dúvida é se os dois, na verdade, estavam disputando um racha com outro motorista. A mulher da vítima, Fernanda Stoian, disse na delegacia que testemunhas viram um terceiro carro ajudar Artur e o primo a fugir.

Ambos, no entanto, sustentam que tentaram ajudar. Artur disse que queimou a mão e os dois deixaram o local a pé.

Desabafo

A irmã do comissário de bordo morto, Ana Paula Stoian, compartilhou uma mensagem de indignação pela perda. Ana ironizou a descrição utilizada pelo advogado Artur Falcão Sfoggia em seu perfil em uma rede social. "Meu irmão um pai de família, indo trabalhar e você voltando de balada, tirou a vida dele. Não prestou socorro a uma viúva em desespero de ver o corpo do marido ser carbonizado", desabafou.

 

 



Leia também:
SP: acidente com ônibus deixa oito feridos
Proprietário de caminhão deve ser responsabilizado por acidente na BR-101