Tamanho de fonte
Atualizado em sexta-feira, 11 de agosto de 2017 - 18h29

Carla Bigatto se confundiu e disparou "horário de pica" ao vivo

Apresentadora é a convidada desta semana do quadro "Maiara Responde"

Fazer jornalismo ao vivo não é fácil não. Que diga Carla Bigatto, que, sem querer, já trocou a expressão "horário de pico" por... horário de "pica"!

Essa é apenas uma das histórias que a jornalista revela no quadro Maiara Responde desta semana.

"
Eu ouço meu erro e  eu falo 'ai que dó'. Tinha acordado muito cedo, gripada, e estava lendo as notícias: trânsito, metrô e aí saiu horário de 'pica'", contou a apresentadora do BandNews FM.

A comandante do programa, Maiara Bastinello, não ficou atrás e lembrou que também já cometou erro ao vivo no Carnaval enquanto falava o nome de um bloco "Chupo, Mas Não Dou".

Vida de atleta

Bigatto praticou por muitos anos a ginástica olímpica, já foi federada, ganhou campeonatos brasileiros por grandes clubes e pretendia seguir na carreira. Mas, ela precisou se despedir do esporte quando, em uma série de paralelas, ela quebrou o fêmur e não conseguiu voltar às suas atividades.

Apesar de tudo, a jornalista não deixou a vida passar e seguiu em frente. "Eu passei por aquela fase que eu tinha que passar. Daí eu fui estudar e entrei na faculdade de jornalismo. E, na verdade, o esporte me proporcionou os estudos, graças a ele consegui bolsa na escola."

Jornada de plantões


As apresentadoras ainda deram algumas dicas sobre plantões para quem pretende cursar jornalismo. "Se você gosta de fim de semana e de feriado, não faça [jornalismo]. A gente tem escala e até consegue se programar, mas muitos colegas de profissão não conseguem", brincou Maiara.

A jornada de Carla no jornalismo começou porque a paulista sempre gostou de conhecer as histórias das pessoas e também gosta muito de literatura. "O jornalismo proporciona isso pra gente, conhecer pessoas muito diferentes", contou a entrevistada.

Em relação a assédio, Maiara perguntou como a apresentadora consegue lidar. "As pessoas não estão acostumadas a pensar que mulher e homem são iguais e que devem ter tratamentos iguais. Eu tenho sorte de encontrar pessoas que tem respeito, mas quando passa um pouco da conta tenho que ter um jogo de cintura", contou Bigatto.

Toda sexta-feira tem um novo Maiara Responde no canal da rádio BandNews FM no YouTube - inscreva-se lá para não perder as atualizações.

Veja também:
Diguinho Coruja se considera um observador de pessoas