Tamanho de fonte
Atualizado em domingo, 18 de junho de 2017 - 08h53

Parada LGBT celebra 20 anos e discute Estado Laico

Em sua primeira edição, evento reuniu 2 mil pessoas. De lá para cá, a festa se firmou no calendário de São Paulo como o grito pela tolerância
Imagem da Parada LGBT de 2016 / Paulo Pinto/Fotos Públicas Imagem da Parada LGBT de 2016 Paulo Pinto/Fotos Públicas

Neste domingo (18), a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo comemora 20 anos. Desde sua primeira edição, o evento teve, ao longo de cada ano, a capacidade de mobilizar pessoas da comunidade LGBT e simpatizantes em prol da diversidade e tolerância.

Com o tema “Independente de nossas crenças, nenhuma religião é lei! Todas e todos por um Estado Laico”, a organização juntamente com militantes e coletivos pretende debater a interferência religiosa na afirmação de políticas que contemplem à comunidade.

"Discutir o estado laico é de extrema importância atualmente. Cada um tem seu modo, é diferente, acredita em coisas diferentes. Os governantes do país precisam representar a todos. Mas é impossível uma representação igual, quando a política tem influências religiosas.", afirmou Leonan Oliveira, da ONG APOGLBT, responsável pela organização da Parada. 

A Avenida Paulista será fechada às 8h, como acontece todos os domingos. A concentração está marcada para às 10h em frente ao Masp e os 19 trios devem começar a sair por volta das 13h em direção à rua da Consolação. O evento termina às 19h, com show especial de  Alice Caymmi, Tamara Angel, o Cabaré e artistas de São Paulo no Vale do Anhangabaú.

Ao longo do evento, as cantoras Anitta, Naiara Azevedo e Daniela Mercury prometem agitar os trios. A apresentadora Fernanda Lima também estará presente, como madrinha do evento.

Alavanca no turismo

Segundo a ONG APOGLBT, 3 milhões de pessoas irão colorir a Avenida Paulista neste domingo.

Em 2006, a Parada reuniu 2,5 milhões de pessoas e foi oficialmente considerada a maior do mundo, entrando no Guinness Book, o livro dos recordes.

Todos os anos, vários turistas prestigiam a festa e impulsionam a economia da cidade. A SPTuris (Empresa de Eventos e Turismo da Cidade de São Paulo) divulgou que cerca de 45% dos presentes são turistas. Do percentual, a tendência é que cada um gaste em média R$ 1,5 mil durante a estadia, entre alimentação, hospedagem e lazer.

Galeria: As imagens da Marcha da Resistência em Washington e na Califórnia
Leia mais:
Políticas LGBTs fazem SP ganhar título inédito
SP tem o maior número de uniões estáveis gays