Tamanho de fonte
Atualizado em segunda-feira, 19 de junho de 2017 - 18h57

Vitrine de Doria, zeladoria tem alta nas reclamações

Serviços que têm sido atacados em mutirões específicos têm aumento de até 6.100% no número de queixas na Ouvidoria desde janeiro
Doria chega ao local para iniciar os trabalhos da operação Cidade Linda deste sábado / Nelson Antoine/FramePhoto/Estadão Conteúdo Doria chega ao local para iniciar os trabalhos da operação Cidade Linda deste sábado Nelson Antoine/FramePhoto/Estadão Conteúdo

No primeiro dia útil de seu governo, o prefeito João Doria (PSDB) acordou cedo, vestiu-se de gari, pegou na vassoura e – como Lulu Bergantim do conto de José Cândido de Carvalho – anunciou que era hora de limpar a cidade e prometeu correr os quatro cantos em ações de zeladoria.

Depois deste que foi o lançamento do Cidade Linda, programa de revitalização de avenidas e seus entornos que ocorre todo fim de semana, vieram o Calçada Nova (autoexplicativo) e um mutirão para tapar buracos de rua, anunciado em março.

Cinco meses depois de sua posse, porém, são os problemas de zeladoria, que a sua gestão prometeu atacar como prioridade, que mais cresceram em reclamações na Ouvidoria.

Leia mais
Doria passa em prova e recupera direito de dirigir
Alckmin e Doria: fluxo não voltará à Cracolândia


De janeiro a maio, as queixas sobre buracos de rua passaram de 31 para 373 – aumento de mais de 1.000%. Sobre podas de árvores, o total de registros subiu de 12 para 253 e o de capinação, de 20 para 155.

Em percentual, o maior crescimento é o de reclamações sobre calçadas, que passou de uma única queixa em janeiro para 62 em maio – alta de 6.100%. As demandas de varrição foram as que cresceram menos, 335%: de 14 para 61.

gráfico reclamações contra gestão Doria


A Ouvidoria é como uma segunda instância. Nos casos de zeladoria, os registros são de protocolos abertos por moradores que não tiveram seus pedidos atendidos pela respectiva prefeitura regional e buscaram o órgão para reclamar.

O Metro Jornal pediu que seus leitores se manifestassem pelas redes sociais sobre as condições de zeladoria da cidade e ouviu queixas de moradores de diferentes bairros e apenas um elogio. Confira alguns abaixo:

@About3: “Na Vila Prudente, o novo piscinão em nada ajudou com as enchentes; o asfalto há muito tempo não tem manutenção; e os faróis de duas grandes avenidas (Anhaia Melo e do Estado) frequentemente apagam”.

@Egregolini: “Os problemas reais continuam: buracos nas ruas, parada de caminhão em locais proibidos, dificultando/impedindo a passagem, falta de policiamento”.

@BoulosYone: “Moro na Vila Romana há 30 anos e nenhum cuidado venho notando. Em frente ao meu prédio há um buraco que não tem jeito”.

Em reportagens no início do mês, o jornal mostrou problemas com buracos e calçadas na cidade, como uma vala na esquina da Avenida Paulista com a rua da Consolação, que está aberta há seis meses.

Professor de ciência política do Mackenzie, Rogério Baptistini afirmou que “a cidade sofre processo histórico de degradação, agravado pelo cenário econômico” e que a bandeira da zeladoria erguida por Doria é legítima.

“Mas o prefeito não tinha a dimensão da dinâmica da administração pública, que envolve conhecimento da lei e poder de negociação. O tempo de resolução é diferente do que o da iniciativa privada e ele está aprendendo isso pela dor, como no embate com os grafiteiros e nas ações da Cracolândia."

Resposta da Prefeitura

Em nota, a administração municipal disse que "uma solicitação para que um buraco seja tapado ou poda de árvore, por exemplo, pode ser feito no sistema mais de uma vez", por diversas pessoas. "Assim, não se pode afirmar que há relação direta entre o número de registros e os serviços prestados pela Prefeitura de São Paulo."

"A Secretaria Municipal das Prefeituras Regionais esclarece que assumiu a gestão em janeiro de 2017 com uma demanda represada de solicitações de serviços de zeladoria, não atendidos pela gestão anterior. Soma-se a isto, os altos índices pluviométricos deste ano (15% acima dos primeiros cinco meses de 2016), que amplia a degradação do pavimento asfáltico. Importante lembrar que o governo herdou um orçamento deficitário que inviabiliza o aporte de recursos para o atendimento dos pedidos com maior celeridade", justificou-se.