Homem é ameaçado de morte por boato de WhatsApp

Carlos teve sua foto veiculada a suposto sequestrador de crianças no Rio de Janeiro, por conta disso, virou alvo de justiceiros; entenda a história

A simples vida do serralheiro Carlos Luiz Batista, de 39 anos, virou um pesadelo do dia para a noite. Tudo começou com um boato espalhado por grupos de WhatsApp, e depois por redes sociais como o Facebook, que relacionaram a imagem do morador de Campo Grande, Rio de Janeiro, a um sequestrador de crianças.

 

Carlos lembra bem quando, no dia 21 de setembro, recebeu uma ligação do pai relatando, sem entender nada, que muitos moradores o procuraram, perguntando sobre o filho que agora sequestrava e matava crianças. Foi a primeira vez que ele teve contato com a história.

 

No dia seguinte, o serralheiro recebeu as mensagens em áudio que detalhavam quem era o criminoso. Era Júlio César, morador de Mesquita, na Baixada Fluminense, que fez um “pacto com o capiroto” para poder “matar crianças”. A voz de um rapaz ainda pede que o alerta seja espalhado para o “máximo de grupos” possíveis para que Júlio fosse encontrado e “picotado”. Ouça: 


Com os áudios estava a foto que Carlos havia acabado de usar para atualizar seu perfil do Facebook. Apesar do nome e localização diferentes, a imagem o relacionava diretamente com uma história que, apesar de mentirosa, foi responsável por ameaças de morte e por um medo que o fez parar de trabalhar e não sair mais de casa.

 

“Eu virei o cara mais procurado do Rio de Janeiro. Minha foto começou a rodar por grupos [do WhatsApp] de policiais e justiceiros; recebi várias ameaças”, relatou ao Portal da Band. “Soube que a foto rodou todo o Rio de Janeiro, além de outros municípios, como Duque de Caxias e Niterói, e chegou até em São Paulo e Maceió.”

 

No mesmo dia, ele foi até a Cidade da Polícia e registrou boletim de ocorrência na Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) para se precaver. A resposta, no entanto, não foi satisfatória. “Eles me deram de seis a oito meses para solucionar. Vou ter que ficar todo esse tempo preso em casa?”, questiona.

 

Assustado, o serralheiro - que trabalha de forma autônoma - não conseguiu mais trabalhar nem dormir. Temia não somente por sua segurança, como também pela de sua família. Casado, pai de dois rapazes na faixa dos 20 anos e de uma menina de apenas um ano e oito meses, foi cercado de seus familiares que ele gravou um vídeo na tentativa de desmentir o que já estava fora de controle. Assista: 


 

Após duas semanas que definiu como “desesperadoras”, a vítima do boato acredita que o vídeo melhorou um pouco sua situação. “O vídeo já alcançou um milhão de visualizações e minha voz começou a ser ouvida, mas ainda estou um pouco preocupado. Não voltei a trabalhar, estou tentando respirar um pouco para conseguir retomar meu negócio. Quero ter cautela."

 

Carlos não faz ideia de quem pode ter iniciado esse boato. “Eu não conheço ninguém em Mesquita e, vou te falar, eu sou muito querido aqui na minha região. Não tenho inimizade nenhuma. Eu realmente não sei como isso tudo começou.”

Quando foi registrar queixa na DRCI, porém, ele ficou sabendo que seu caso não é o único. “Isso tem acontecido direto, muitas pessoas estão sendo vítimas de boatos por aí. Fiquei sabendo, inclusive, que tem fotos de outras pessoas sendo relacionadas à mesma mentira que a minha”, contou, deixando ainda um alerta. “As pessoas precisam se informar melhor, não acreditar só no que leem no WhatsApp. Tem que pesquisar, ver se é verdade, uma mentira dessas pode acabar com a vida de uma pessoa.” 

 

Você viu?

Homem sequestrado por engano é jogado de veículo
Pai mata filhos e manda vídeo pelo WhatsApp para família
Homem é condenado a 30 anos por linchamento de mulher

Compartilhar

Deixe seu comentário