Coronel da PM questiona comoção por Marielle: 'Por que transformar em mártir?'

Washington Lee Abe publicou uma carta em resposta as acusações e ofensivas feitas a Polícia Militar

A vereadora Marielle Franco (PSOL), do Rio de Janeiro, asassinada em uma emboscada no bairro do Estácio na última quarta-feira, era conhecida pela sua militância contra a violência policial nas comunidades carentes. Marielle era inclusive integrante comissão que acompanha a intervenção militar no Rio. O crime acabou motivando discussões e publicações nas redes sociais sobre a atuação dos agentes de segurança.

Na noite de quinta-feira, o coronel Washington Lee Abe, comandante do 5º Comando Regional da Polícia Militar do Paraná (PR), publicou uma carta polêmica, em que ataca Marielle, questiona a comoção em torno do crime e rebate acusações contra a PM.

"Por que tanta tentativa de transformar essa vereadora em mártir? Ela representa o povo? Que povo? Qual segmento do povo? Do cidadão de bem?", diz Abe.

"E quando morrermos em combate, tentando salvar uma vida inocente que clama pela nossa presença, vamos aguardar pacientemente os políticos, a imprensa, autoridades que estão fazendo todo esse alarde pela morte dessa 'pessoa' intitulada vereadora, promotora dos direitos humanos, mãe, homossexual (como ela mesma se apresenta) fazerem também o mesmo alarde exigindo respostas rápidas e firmes das autoridades? O mais incrível é declararem em coro que os matadores 'sabiam atirar', insinuando serem policiais", afirma.

Leia o desabafo publicado pela Tarobá News na íntegra:

Por que o mundo inteiro respeita a Polícia? Por que o mundo inteiro precisa da Polícia? Não existe governo, não existe judiciário em nenhum lugar do mundo sem uma polícia. Por que tanta tentativa de transformar essa vereadora em mártir? Ela representa o povo? Que povo? Qual segmento do povo? Do cidadão de bem?

A Polícia Militar, responsável pela morte de negros e pobres na ordem de 30% no País (segundo a vereadora) é morta por quem? Pelo cidadão de bem? Nós, PM, saímos pelas ruas escolhendo 30% de negros e pobres para matar (hahaha). Quando atingimos a nossa quota diária, vamos completar nossa meta matando brancos, asiáticos e tudo o mais que aparecer na nossa frente.

É assim que funciona? E quando morrermos em combate, tentando salvar uma vida inocente que clama pela nossa presença, vamos aguardar pacientemente os políticos, a imprensa, autoridades que estão fazendo todo esse alarde pela morte dessa “pessoa” intitulada vereadora, promotora dos direitos humanos, mãe, homossexual (como ela mesma se apresenta) fazerem também o mesmo alarde exigindo respostas rápidas e firmes das autoridades? O mais incrível é declararem em coro que os matadores “sabiam atirar”, insinuando serem Policiais.

Nós, Policiais, temos uma missão muito maior do que essa mesquinharia. Somos muito mais do que “isso”. Somos a Polícia!

Coronel Washington LEE Abe - Comandante do 5º Cmdo Regional da Polícia Militar do Paraná

Compartilhar

Deixe seu comentário