Ato lembra 19 anos de Massacre do Carandiru

Dezenas de entidades se reuniram em São Paulo para lembrar a morte de 111 presos na Casa de Detenção, em 1992

Dezenas de entidades da sociedade civil realizaram no final da tarde de hoje um ato para lembrar os 19 anos do assassinato de 111 presos que cumpriam pena na Casa de Detenção de São Paulo, no bairro do Carandiru, conhecido como Massacre do Carandiru.

No dia 2 de outubro de 1992, cerca de 360 policiais invadiram, durante uma rebelião, a Casa de Detenção e mataram, com uso de metralhadoras, fuzis e pistolas, 111 presidiários. A ação dos policiais é considerada um dos mais violentos casos de repressão a rebelião em presídios.

O ato de hoje foi realizado no Parque da Juventude, no mesmo local da antiga Casa de Detenção, implodida em 2002.

“O massacre não terminou e continua em nossas periferias com chacinas de população de rua e pessoas pobres. Com o ato de hoje, queremos dar início a uma grande discussão, durante todo o ano, até completar os 20 anos do massacre, sobre a segurança que temos e a segurança que queremos”, destacou o padre Valdir João Silveira, coordenador nacional da Pastoral Penitenciária.

Na última sexta-feira, o Tribunal de Justiça de São Paulo negou recurso da defesa e decidiu manter a decisão de levar a júri popular os 76 acusados pelo crime. Único membro da operação julgado até agora, o coronel Ubiratan Guimarães, comandante da Polícia Militar, foi inocentado. Ele foi assassinado em seu apartamento, em setembro de 2006.

Compartilhar

Deixe seu comentário