Band News FM 94.9
Bradesco Esporte FM 91.1
MPB 90.3
Tamanho de fonte
Atualizado em segunda-feira, 31 de agosto de 2015 - 21h41

RJ: três operários são resgatados de obra

Trabalhadores viviam em situação semelhante à escravidão

Três operários foram resgatados nesta segunda-feira no Rio de Janeiro de uma obra onda viviam em situação semelhante à escravidão. Eles trabalhavam na construção de casas populares sem receber salário e moravam em um alojamento sem condições de higiene. No local não havia roupa de cama, toalha, água potável e nem papel higiênico.

 

A operação foi realizada pelo Ministério do Trabalho e pelo Ministério Público do Trabalho, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

 

Uma das vítimas chegou do Maranhão em maio e, até hoje, não recebeu nenhum dinheiro. Ele é um dos que trabalhavam para uma empresa terceirizada que presta serviço em uma obra do programa Minha Casa Minha Vida de responsabilidade da Cury Construtora e Incorporadora S/A.

 

No local, chegaram a morar 20 pessoas. Porém, com a falta de pagamento, muitos foram embora.

 

Para piorar, cada um só recebia um uniforme. Portanto, não dava tempo de lavar para o dia seguinte. Além disso, todos dividiam o mesmo banheiro.

 

Nos últimos dezoito meses, quase dois mil trabalhadores foram resgatados em situações como essas no país.

 

As imagens da câmera instalada em um drone, conduzido por um controle remoto, feitas de forma inédita em uma operação como esta, ajudam a evitar fugas e a fazer um mapeamento mais preciso dos locais suspeitos. Um levantamento feito pela Band com dados do Ministério do Trabalho apontou que dos 298 trabalhadores resgatados no setor da construção civil no último ano e meio, 201 trabalham em obras do Minha Casa Minha Vida, mais da metade no Rio de Janeiro.

 

Como no caso dos operários encontrados, recebem de imediato três meses de seguro desemprego. O patrão também é obrigado a pagar multas rescisórias e a passagem de volta pra casa, além de enfrentarem processos judiciais.


A Cury Construtora e Incorporadora S/A citada na reportagem afirmou em nota que repudia utilização de mão de obra irregular e irá colaborar com as investigações.