Tamanho de fonte
Atualizado em quinta-feira, 20 de abril de 2017 - 15h58

Sérgio Cabral vira réu pela sétima vez

Ele e outros 19 são acusados de fraude e superfaturamento em obras do Maracanã e do PAC-Favelas
Quadrilha de Cabral aumentou gasto de reforma do Maracanã de R$ 705 milhões para R$ 1,2 bilhão. / Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr Quadrilha de Cabral aumentou gasto de reforma do Maracanã de R$ 705 milhões para R$ 1,2 bilhão. Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr
O Ministério Público Federal denunciou o ex-governador do Rio, Sérgio Cabral, e outras 19 pessoas, de fraude e superfaturamento em obras no Maracanã e do programa PAC-Favelas. Esta é a sétima vez que Cabral se torna réu.

Segundo o órgão, executivos das empreiteiras Delta, Andrade Gutierrez, Carioca Engenharia, Odebrecht, OAS, Queiroz Galvão, Camargo Corrêa, EIT e Camter, membros da quadrilha de Cabral, atuaram juntos para vencer licitações nas obras do estádio e do programa e eliminar a concorrência em outras obras estatais.

16 termos aditivos foram realizados para superfaturar a obra da reforma do Maracanã para a Copa do Mundo de 2014. A prática criminosa fez o gasto da obra saltar de R$ 705 milhões para R$ 1,2 bilhão. Nas comunidades de Manguinhos, Complexo do Alemão e Rocinha, exigências foram adicionadas nos projetos básicos que somente as empresas envolvidas poderiam cumprir. As obras do PAC-Favelas custaram R$ 915 milhões.

Cabral recebia 5% do superfaturamento das obras, como fatos descobertos pelas operações Saqueador e Calicute já haviam apontado. Já denunciados por pagamento de propina e lavagem de dinheiro, o grupo é acusado de formação de cartel, superfaturamento e fraudes a licitações.

Confira a lista de denunciados:

Sérgio Cabral, ex-governador do Rio; Wilson Carlos, ex-secretário de governo; Hudson Braga, ex-subsecretário de obras; Fernando Cavendish e Paulo Meriade Duarte, da Delta; Benedicto Júnior, Eduardo Soares Martins, Irineu Berardi Meireles, Marcos Vidigal do Amaral e Karine Karaoglan Khoury Ribeiro, da Odebrecht; Ícaro Júnior, ex-presidente da empresa de obras do Rio; Ricardo Pernambuco, da Carioca Engenharia; Paulo Cesar Almeida Cabral, da EIA; Maurício Rizzo e Gustavo Souza, da Queiroz Galvão; Louzival Luiz Lago Mascarenhas Junior, Marcos Antonio Borghi e Marcelo Duarte Ribeiro, da OAS; José Gilmar Francisco de Santana, da Camargo Corrêa; e Juarez Miranda Junior, da Camter.

Leia também:

Policial Militar é morto em Bangu