Tamanho de fonte
Atualizado em sexta-feira, 12 de janeiro de 2018 - 14h15

Sá não vê necessidade das tropas federais no carnaval

A afirmação do secretário de Segurança foi dada em entrevista exclusiva ao diretor de jornalismo da Band Rio, Rodolfo Schneider
O secretário disse que não se arrepende de ter assumido o cargo. / (Foto: Agência Brasil) O secretário disse que não se arrepende de ter assumido o cargo. (Foto: Agência Brasil)

O secretário de Segurança disse que é a favor da presença da Força Nacional no estado para coibir crimes, como roubo de cargas, mas sobre o pedido do prefeito Marcelo Crivella para as tropas federais atuarem nas ruas durante o Carnaval, Roberto Sá disse que, em princípio, não vê necessidade. Porque apesar das dificuldades, a Polícia Militar sempre deu conta do recado.

A afirmação aconteceu em entrevista exclusiva à BandNews FM, antes da reunião com o governador Pezão e os ministros Raul Jungmann e Torquato Jardim. O encontro está marcado para a manhã desta sexta-feira (12), no Palácio Guanabara.

Questionado sobre episódios de violência em comunidades ocupadas, como a Rocinha, Sá disse que o episódio da guerra entre traficantes rivais no ano passado causou uma reflexão, e por isso, mantém 540 homens do Comando de Operações Especiais da PM, pois ainda não há condições de retirá-los para apoiar os policiais da UPP Rocinha.

Roberto Sá disse ainda que já tem um planejamento pronto para retomar o RAS (Regime Adicional de Serviço) para reforçar a segurança de Paraty a Cabo Frio, entre a Costa Verde e a Região dos Lagos, áreas turísticas, assim como em outras áreas para coibir o roubo de cargas, como na Baixada Fluminense. Sobre reclamação de ouvintes pela quantidade de blitz, Sá disse que vai se reunir com o comandante geral da Polícia Militar e reavaliá-las, mas sem recuar.

Questionado pelo âncora Rodolfo Schneider, o secretário disse que não se arrepende de ter assumido o cargo, falou que não pensou em desistir, apesar de sempre ficar abalado a cada morte de policiais e vítimas de balas perdidas.