Tamanho de fonte
Atualizado em terça-feira, 15 de maio de 2018 - 14h16

Draco realiza operação no Camelódromo da Uruguaiana

Os agentes verificam denúncias da existência de uma milícia instalada no local
Os mandados são contra administradores do espaço / Philippe Lima/SESEG Os mandados são contra administradores do espaço Philippe Lima/SESEG

Quatro pessoas foram presas até agora na operação que a Polícia Civil faz no Centro Comercial da Uruguaiana, na Região Central do Rio.

Os alvos da ação são integrantes da administração do camelódromo. O presidente, o vice-presidente e o chefe da segurança estão entre os suspeitos de praticar delitos como associação criminosa, falsidade ideológica, extorsão, além de venda e locação de espaços públicos.

A investigação teve início depois que um dos comerciantes denunciou à Polícia que era obrigado a pagar R$ 5 mil à quadrilha para manter os boxes abertos. Os criminosos também vendiam os espaços de forma irregular. Os valores cobrados giravam em torno de R$ 30 mil.

A prática é considerada ilegal, já que a permissão para funcionamento das unidades é concedida pela Prefeitura. O inquérito da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e de Inquéritos Especiais aponta ainda que foi constatada a cobrança compulsória de taxas aos permissionários dos boxes, referentes à segurança, limpeza e consumo de energia elétrica.

Os agentes verificam ainda denúncias da existência de uma milícia instalada no local.