Tamanho de fonte
Atualizado em terça-feira, 29 de maio de 2018 - 15h54

Evento marca 100 dias de intervenção no Rio de Janeiro

Dificuldades, avanços e medidas foram expostas durante as palestras
Secretário estadual de Segurança, general Richard Nunes / Michael Verissimo Secretário estadual de Segurança, general Richard Nunes Michael Verissimo

A grande dificuldade da intervenção federal na Segurança Pública do Rio de Janeiro é a de realizar ações estruturantes: recuperar a capacidade operativa e fortalecer os órgãos de Segurança como instituições de estado. A afirmação é do secretário estadual de Segurança, general Richard Nunes.

A declaração foi dada durante um evento que marca os 100 dias da intervenção no estado.

Apesar do tempo, de acordo com a diretora-presidente do Instituto de Segurança Pública, Joana Monteiro, os números de criminalidade estão similares ao do fim do ano passado. Contudo, o secretário pede cautela ao tratar com imediatismo a queda dos índices de violência.

Sobre a polêmica envolvendo Unidades de Polícia Pacificadora, o secretário disse que a restruturação é importante, pois elas foram expandidas de maneira irresponsável para atender a interesses políticos.

Neste mês, a UPP da Mangueirinha, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, já está sendo desmobilizada. Quase três meses após a assinatura do decreto de intervenção, o gabinete de Segurança decidiu encerrar as atividades de 12 UPPs e modificar outras sete.

Richard Nunes também anunciou que o bairro da Praça Seca, na Zona Oeste, vai ganhar uma companhia destacada da Polícia Militar.