Rádio Bandeirantes
Rádio BandNews FM 99.3
Rádio Ipanema FM 94.9
Canal Você
Tamanho de fonte
Atualizado em sexta-feira, 17 de janeiro de 2014 - 09h54

'Rolezinho' com refri e pão com mortadela

Evento criado no Facebook está marcado para domingo, às 16h20
Polícia agiu contra participantes de 'rolezinho' no shopping Itaquera, em São Paulo / Robson Ventura/Folhapress Polícia agiu contra participantes de 'rolezinho' no shopping Itaquera, em São Paulo Robson Ventura/Folhapress

Eles se apresentam como filósofos, antropólogos, jornalistas e analistas de sistemas. Inspirados na discussão que ganhou repercussão nacional depois que jovens paulistas começaram a fazer encontros em shoppings, os chamados rolezinhos, decidiram marcar um em Porto Alegre também.

 

A manifestação está marcada para este domingo, às 16h20, no Moinhos Shopping e eles pretendem levar refrigerante barato e muito pão com mortadela. Até a manhã desta sexta-feira (17), 407 pessoas já haviam confirmado presença no evento criado no Facebook.

 

A manifestação é apresentada como um apoio ao povo da zona leste de São Paulo e das periferias das grandes cidades de todo o Brasil contra toda forma de opressão aos pobres e negros, “em especial contra a brutal e covarde ação diária da polícia militar no Brasil, seja nos shoppings, nas praias ou nas periferias”, diz na página.

 

A observação também é clara: “estamos fazendo uma manifestação pacífica contra a desigualdade e o racismo. Se houver violência ou depredação, furtos ou outros problemas, não estarão relacionados com o evento criado”, está destacado.

 

Um dos organizadores do evento, o analista de sistemas Fábio Fleck detalha que a direção do shopping, a Brigada Militar e a EPTC estão sendo informadas de todos os passos previstos.

 

”Vamos fazer um piquenique. Combinamos de levar pão com mortadela e refrigerante bem barato, coisas que são símbolos contra essa elitização da nossa cultura. A gente viu uma oportunidade de abrir isso para a sociedade e mostrar o quão dicotômico é, porque se fossem jovens ricos chegando seria totalmente diferente”, considera Fleck.