Rádio Bandeirantes
Rádio BandNews FM 99.3
Band TV
Terraviva
Tamanho de fonte
Atualizado em sexta-feira, 12 de janeiro de 2018 - 19h45

Hackers invadem o sistema da Prefeitura Municipal de Joia

Criminosos pedem US$ 4 mil, na moeda virtual Bitcoin, para liberar a criptografia dos dados

Um ataque virtual surpreendeu as autoridades do município de Joia, localizado na Região Noroeste do Estado. O site da Prefeitura foi retirado do ar, tendo os seus dados criptografados.

 

Para liberar o acesso aos dados, hackers pedem o depósito da quantia de US$ 4 mil. Além disso, é exigido que o valor seja pago na moeda virtual bitcoin.

 

 “Verificaram que estava tudo criptografado, e nós não conseguimos mais ter acesso. Dentro do servidor o hacker deixou o e-mail dele para que nós entrássemos em contato. Ele pediu uma quantia de US$ 4 mil”, explica Jackson Pinheiro, responsável pelo setor de contabilidade da Prefeitura Municipal de Joia, como ocorreu o ataque.

 

O bitcoin ganhou notoriedade ao longo do último ano em função de uma grande valorização. Uma unidade da moeda virtual chegou a ser avaliada, ao longo de 2017, em US$ 20 mil. Hoje, o valor gira na casa dos US$ 17 mil.

 

Os hackers aproveitaram a madrugada, período de lançamento dos dados da Prefeitura na nuvem, para criptografar os dados. “A gente tem um servidor que fica todo o banco de dados dos programas de informática. Eles entraram e criptografaram os arquivos, de forma que a gente não conseguia mais acessar”, explica Jackson.

 

O responsável pelas contas do município do Interior do Estado afirma, ainda, que o valor não foi pago em função da incerteza a respeito da liberação dos dados. “A gente contratou uma empresa de Porto Alegre, na tentativa de limpar e restaurar os arquivos”, ressaltou.

 

O Delegado Ricardo Miron, responsável pela investigação do caso, afirma que o crime cibernético é uma novidade na região. “A gente está contando com o apoio da delegacia de repressão aos crimes de informática, mas eles nos informaram que é difícil a elucidação do crime”, revela Miron.

 

As investigações seguem em andamento. Enquanto isso, uma empresa especializada em tecnologia da informação, sediada em Porto Alegre, trabalha no desbloqueio dos dados.