Tamanho de fonte
Atualizado em sexta-feira, 14 de julho de 2017 - 10h28

Hospital melhora tempo de permanência no pronto socorro

O Hospital Municipal está reestruturando a gestão, com apoio do Instituto Lean Brasil e Instituto de Oncologia do Vale do Paraíba / Prefeitura de São José dos Campos O Hospital Municipal está reestruturando a gestão, com apoio do Instituto Lean Brasil e Instituto de Oncologia do Vale do Paraíba Prefeitura de São José dos Campos

O Hospital Municipal Dr. José de Carvalho Florence, unidade da Prefeitura de São José dos Campos gerenciada pela Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM), está reestruturando seus processos de gestão, com o apoio do Instituto Lean Brasil e do Instituto de Oncologia do Vale do Paraíba (IOV). 

 

A unidade adotou a metodologia Lean (“mentalidade enxuta”), baseada na filosofia da Fundação Toyota, que preconiza a padronização e organização dos processos de uma instituição, por meio da adoção de procedimentos mais simples, com o objetivo de minimizar desperdícios de tempo e de recursos financeiros e humanos, em busca da potencialização dos resultados. 

 

E os primeiros resultados já começaram a surgir. Iniciativas como a classificação de risco, a mudança do layout da área do pronto-socorro e a substituição de drogas injetáveis por outras de uso oral, para portadores de dor e de crises de asma, tiveram grande impacto. Em curto prazo, a permanência dos pacientes de menor complexidade passou de 3 horas e 24 minutos para 1 hora e 55 minutos, uma redução de 56%.

 

Outra iniciativa importante foi a sinalização das macas, de acordo com a necessidade de cada paciente em observação, que melhorou a rotina e a comunicação entre os profissionais, otimizando o atendimento e o tempo de permanência dos pacientes no pronto-socorro da instituição.

 

Segundo Carlos Alberto Maganha, diretor técnico do HM, a ideia é transformar a unidade em um hospital Lean. “Começamos pelo pronto-socorro, área mais crítica do nosso hospital, mas pretendemos disseminar a metodologia para todos os setores da instituição. Ele funcionará como uma vitrine para a onda de transformação do restante do hospital”, explicou. “Como se trata de uma mudança de cultura, já começamos a nos preparar para as próximas etapas do processo”, acrescentou.

 

Atendimento otimizado

 

Maior unidade hospitalar de referência para urgência e emergência da região do Vale do Paraíba, o HM recebe aproximadamente mil pessoas por dia no seu pronto-socorro (média de 20 mil/mês), o que determinou a escolha dessa área para início do processo.

 

A primeira questão abordada foi o grande número de pacientes de baixa e média complexidade que procuravam o PS (80%), sempre lotado e com grande tempo de espera. Outro gargalo era a distância entre as salas de exame e de medicação. 

 

Segundo Maganha, com medidas simples e de baixo custo, foi possível otimizar o atendimento e proporcionar a satisfação de pacientes e profissionais, além de transformar a realidade gerencial e potencializar resultados, com melhor aproveitamento do potencial humano.  

 

“Esse é apenas o começo do trabalho, mas já estamos colhendo os primeiros frutos”, contou. “Recentemente, ganhamos um prêmio no ‘Simpósio Einstein de Gestão’ e tivemos o nosso case publicado no veículo mais importante da categoria, o Planet Lean”, conclui.

 

Hospital

 

O Hospital Municipal de São José dos Campos foi inaugurado em 1978 e, desde 2006, quando passou a ser gerenciado pela SPDM, a unidade recebeu credenciamento para realização de procedimentos de alta complexidade, como as cirurgias ortopédicas e tratamento de tumores, ampliando sua produção ambulatorial e hospitalar, bem como o número de residências médicas e os demais serviços oferecidos à população. Desde 2016 é acreditado pela Organização Nacional de Acreditação.

 

O hospital também se destaca pelas atividades acadêmicas em parceria com diversas instituições de ensino, inclusive do exterior.