Tamanho de fonte
Atualizado em quarta-feira, 11 de janeiro de 2017 - 14h42

Indicadores de mercado de trabalho fecham 2016 negativos

Indicador Coincidente de Desemprego é o pior registrado desde 2005
Taxas refletem dificuldade em conseguir emprego / Divulgação Taxas refletem dificuldade em conseguir emprego Divulgação

Os dois indicadores de avaliação do mercado de trabalho da Fundação Getulio Vargas (FGV) encerraram o ano de 2016 com resultados negativos. O Indicador Antecedente de Emprego (Iaemp), que busca antecipar tendências futuras do mercado de trabalho, recuou 3,1 pontos em dezembro, atingindo 90 pontos.

Esse foi o menor resultado do indicador, calculado com base em entrevistas com consumidores e empresários da indústria e dos serviços, desde julho do mesmo ano (89,1 pontos).

O Indicador Coincidente de Desemprego (ICD), que avalia a situação atual do mercado de trabalho com base na opinião de consumidores brasileiros, piorou 0,6 ponto e atingiu 103,6 pontos. É o pior resultado da série histórica, iniciada em novembro de 2005.

Segundo a FGV, os indicadores refletem mais uma vez a piora na percepção da situação da economia no país. O Iaemp recuou devido à redução do entusiasmo em relação ao ritmo de recuperação da economia brasileira. Já o resultado do ICD reflete a elevação das taxas de desemprego e a maior dificuldade em conseguir um emprego no país.

Jornal da Band: brasileiros investem em franquias para tentar fugir do desemprego
 
Veja também:
Inflação oficial fecha 2016 abaixo da meta do governo
Custo da cesta básica cresce em todas as capitais