Tamanho de fonte
Atualizado em segunda-feira, 17 de setembro de 2012 - 06h56

Gastos fixos aumentam custo do carro

Quem pensa em comprar automóvel deve levar em conta gastos fixos.Impacto financeiro pode ser maior que o valor do veículo
Antes de comprar o carro, é preciso analisar os gastos fixos / Renato Araújo/ABr Antes de comprar o carro, é preciso analisar os gastos fixos Renato Araújo/ABr

 

Em época de feirões e IPI reduzido, muita gente sai da concessionária com a chave do carro na mão, mas com uma conta além do que o bolso pode arcar. Um dos principais erros é não levar em conta os gastos embutidos na aquisição do automóvel. Em uma simulação feita com um  eículo que custa R$ 70 mil, o proprietário teria de desembolsar R$ 184 mil ao longo de quatro anos (incluído o preço de compra).

“As pessoas se esquecem de calcular as despesas com a manutenção do veículo. É por isso que vemos tanta gente fazendo uma ginástica financeira para pagar dívidas”, afirma Leandro Mattera, consultor automotivo da Carro e Dinheiro.

Leia outras matérias na edição do Metro-SP

Confira outras edições do jornal Metro em todo o país

Um dos gastos que pode se tornar uma armadilha é o do seguro. Mattera aconselha a fazer uma cotação antes de se decidir pelo modelo do automóvel. Os valores podem variar muito, dependendo da cidade e do uso que o proprietário faz do veículo.

Outra surpresa pode ser a troca de peças, encarecida pela inflação dos serviços no Brasil. “Também temos um mercado com peças de reposição cada vez mais caras”, comenta Mattera. O consultor reconhece a importância “emocional” da compra do carro, mas diz que esse deve ser o último item a ser considerado.

Arte: Metro