Tamanho de fonte
Atualizado em domingo, 14 de maio de 2017 - 23h46

Campanha de Trump foi assunto na 1ª fase da Unesp

Vestibular de inverno, que seleciona para oito cursos de engenharias, teve 12,3% de abstenção
Temas atuais, como medidas do governo Trump, foram presença marcante em História e Geografia / Jim Lo Scalzo/Reuters Temas atuais, como medidas do governo Trump, foram presença marcante em História e Geografia Jim Lo Scalzo/Reuters

Pouco mais de 10,3 mil candidatos fizeram a prova da 1ª fase do vestibular de inverno da Unesp neste domingo em busca de uma das 360 vagas da instituição. Segundo a Vunesp, organizadora do vestibular, o índice de abstenção ficou em 12,3%. Todas as vagas são para engenharias nos campi de Bauru, Ilha Solteira, Registro, São João da Boa Vista e Sorocaba. Para o coordenador pedagógico do Sistema CPV Alexandre Antonello, a prova foi bastante semelhante às de 2015 e 2016, trazendo temas atuais na área de Ciências Humanas e interdisciplinaridade e contextualização nas áreas de Ciências da Natureza e Matemática. “Uma dica para o aluno que for para a 2ª fase é estudar os últimos quatro exames, pois a Unesp tem mantido o padrão”, diz.

 

Como foi a prova


O exame de Português fugiu um pouco do perfil de questões que a Unesp costuma pedir. Essa é a análise do professor de Língua Portuguesa do Cursinho CPV, Caco Penna. “O aluno que foi esperando resolver perguntas de análise textual, como vinha sendo o padrão da prova, encontrou itens que exigiram conceitos gramaticais aplicados”, diz. Entre os assuntos abordados, a função sintática do pronome relativo chamou a atenção. “É um conceito típico de provas da FGV, mas incomum na Unesp”. 

 

Já as questões de Literatura mantiveram o padrão das provas anteriores, testando a habilidade dos alunos interpretarem textos literários. O professor de Literatura Danislau achou particularmente curiosa o item sobre vanguardas ser baseado em texto não verbal. “Essa abordagem contribuiu para o alto nível de sofisticação da prova”, comenta. 

 

Finalizando a parte de Códigos e Linguagens, a prova de Inglês, única com número fixo de questões, trouxe perguntas em inglês e português, baseadas em dois textos relativamente curtos. Segundo o professor de Língua Inglesa Sérgio Klass, o exame cobrou compreensão de texto, vocabulário e conceitos gramaticais em um formato que pode ser benéfico tanto para o aluno que domina a língua estrangeira quanto para aquele que tem maior facilidade em resolver as perguntas em português. “Acredito que a prova não tenha oferecido maiores complicações  ao candidato, pois os textos eram curtos e não apresentaram grandes dificuldades vocabulares”, enfatiza.

 

Ciências Humanas

 

Os alunos encontraram uma prova de História que pedia conhecimentos do mundo contemporâneo em ao menos três questões. Para o professor do Cursinho CPV, Jackson Farias, a prova se baseou em questões com diferentes graus de dificuldade, indo desde itens muito simples, como a comparação entre as inconfidências Mineira e Baiana, até perguntas que requeriam um conhecimento mais aprofundado, como a que relacionou os problemas decorrentes do presidencialismo de coalisão nos períodos da República Liberal e da República Nova.

 

“Também merece destaque o texto base para as questões 39 a 41, que percorre a História dos Estados Unidos, do Imperialismo `as primeiras medidas do governo Trump, com atenção especial para análise dos anos posteriores ao fim da Guerra Fria; trata-se de um bom exemplo das relações entre o passado e o presente, que os candidatos bem preparados devem conhecer”, elogia.

 

A prova de Geografia também fez uma combinação entre temas atuais e tradicionais, com pontos importantes como a questão Palestina e a relação da economia brasileira com a chinesa, passando por temas ambientais como a função social da Mata Atlântica, os rios voadores na América do Sul e a explosão da usina nuclear de Chernobyl. Segundo o professor de Geografia Renato Araújo, a questão sobre a função social da Mata Atlântica pode causar alguma confusão.

 

“No texto original, os autores relacionam a ocorrência de enchentes e a crise hídrica ao desmatamento da vegetação, o que indica a alternativa sobre a regulação do clima e o tratamento da água como a mais adequada”. Ainda segundo o professor, a descrição do Pantanal, a partir de um excerto do escritor Marcos Faustino, foi um ponto alto da prova.  

 

Ciências da Natureza e Matemática


Se temas atuais foram presença marcante nas provas de Geografia e História, o mesmo não pode ser dito da prova de Química, que não trouxe nenhuma questão relacionada ao cotidiano. Segundo o coordenador pedagógico do Cursinho CPV e professor de Química Elcio Bertolla, três itens envolviam cálculos matemáticos que podem ter tirado tempo dos alunos. “A prova foi bem distribuída , mas talvez um pouco mais de química orgânica seria interessante”, diz.

 

Para o professor de Matemática Nélio Kikuchi, a prova manteve as tendências atuais dos vestibulares, com questões contextualizadas e distribuição coerente, cobrando porcentagem, geometria plana, sistemas, geometria espacial, função do 2o grau, potenciação e análise combinatória. “Acredito que a banca vai selecionar os candidatos mais bem preparados com esta prova”, comenta.

 

A prova de Física teve um grau de dificuldade médio, abordando quase todas as áreas da Física Clássica, com ênfase na Mecânica. Essa é a avaliação do professor de Física Rafael Correa, que também destaca a interdisciplinaridade, em perguntas que envolviam Literatura, Química e Biologia, e a contextualização, na questão envolvendo a estiagem do ano passado e a alteração da velocidade das marginais em São Paulo. “Em suma, uma prova que avaliou bem o candidato", finaliza.


Segunda fase


A segunda fase, com redação e questões dissertativas, será aplicada nos dias 10 e 11 de junho, sábado e domingo, nas mesmas cidades onde é realizada a primeira fase. O resultado do vestibular será divulgado no dia 10 de julho.