Tamanho de fonte
Atualizado em quarta-feira, 31 de maio de 2017 - 15h56

Enem tem menor número de inscritos desde 2013

Ministro da Educação negou relação entre mudanças e baixa adesão
Entre as mudanças está o aumento da taxa de inscrição, que foi de R$ 68 para R$ 82 / Agência Brasil Entre as mudanças está o aumento da taxa de inscrição, que foi de R$ 68 para R$ 82 Agência Brasil

O ministro da Educação, Mendonça Filho, negou que as mudanças feitas no Enem deste ano tenham relação com a adesão mais baixa para a prova. O MEC registrou o menor número de inscritos desde 2013, com pouco mais de 6 milhões de estudantes.

A aplicação, que em outras edições ocorria em dois dias consecutivos, passará a ser feita em dois domingos e a taxa para a realização do exame foi alterada, subindo de R$ 68 para R$ 82.

A prova também deixou de ser uma validação para o ensino médio. A partir deste ano, funciona para os estudantes que desejam uma bolsa ou descontos nas instituições de ensino superior, ou ingressar em universidades públicas.

Índice de abstenção

Em entrevista a José Luiz Datena no 90 Minutos, da Rádio Bandeirantes, o ministro da Educação disse esperar que a abstenção seja menor este ano. Mendonça Filho lembrou que, em 2016, o índice foi muito alto – quase 30%, o que gerou um prejuízo de R$ 226 milhões.

Mudanças no FIES

Ele adiantou que nas próximas semanas o governo irá anunciar mudanças no Fundo de Financiamento Estudantil, o FIES. Segundo o ministro da Educação, o objetivo é diminuir as dívidas e a inadimplência, que está em 46%.

O ministro da Educação ainda garantiu que será realizada no segundo semestre a prova do Encceja, que é o exame para buscar a certificação do ensino médio. O calendário de provas pode ser acessado pelo site do Inep.

Veja também:
MEC adia prazo para renovação do Fies
MEC divulga as primeiras notas de corte do Sisu