Sebastião Melo anuncia que deixará a política

Candidato evita analisar o resultado da eleição em Porto Alegre e anuncia que se dedicará à advocacia a partir de agora

Do Metro Jornal Porto Alegre - 31/10/2016 - 10:36

Candidato anunciou que se dedicará à advocacia (Foto: Laísa Mendes/Band)

Rostos cabisbaixos empunhavam bandeiras enroladas enquanto um silêncio fúnebre tomava conta da sede municipal do PMDB, na avenida João Pessoa. No local, a decepção estampada no olhar de militantes e políticos traduzia o iminente resultado das urnas, que, no fim da tarde de ontem, já sacramentava o triunfo tucano na capital. A quietude só era interrompida pela chegada de figuras conhecidas – primeiro, o prefeito José Fortunati (PDT); depois, a candidata vice-prefeita Juliana Brizola (PDT); por fim, o vice-prefeito derrotado nas urnas, Sebastião Melo (PMDB).

Acompanhado de sua mulher, Valéria, o candidato que recebeu 39,5% dos votos válidos aproveitou, logo no início do seu discurso, para reconhecer a vitória de Nelson Marchezan Jr.

“Quero cumprimentar meus concorrentes, Marchezan e Paim. Terminada a eleição, desejo sucesso na gestão. O sucesso de Porto Alegre está acima do processo eleitoral”, ressaltou Melo.

O peemedebista – que, há pouco mais de um mês, liderava todas as pesquisas de intenção de voto – se recusou a analisar o resultado do pleito e comentar possíveis erros cometidos ao longo da campanha. “Como diz o Ibsen Pinheiro, comentar Gre-Nal depois do resultado é barbada. A coordenadoria da campanha, não eu, vai analisar o que aconteceu”, disse.

Quando perguntado sobre os trâmites do processo de transição do governo, Melo também não quis tecer comentários, afirmando que este assunto “é com o prefeito Fortunati”.

Pois ele, Fortunati, prometeu que deixará a prefeitura nas melhores condições possíveis para Marchezan. “Garanto que ele vai encontrar um governo plural e transparente”, destacou.

Da prefeitura à advocacia

Com a derrota, Melo declarou que pretende abandonar a vida pública para se dedicar à advocacia, profissão que exerceu por mais de uma década. “Como a maioria dos brasileiros, não tenho aposentaria tão cedo, então vou voltar a advogar. Tenho saúde e juventude para isso.”

Ler a notÍcia completa