Tamanho de fonte
Atualizado em quinta-feira, 23 de março de 2017 - 10h02

Zoo processa agência por comercial de guaxinim

Em uma cama, o animal parece determinado a tirar o sutiã de jovem nua
Cena faz parte de um vídeo produzido por uma agência de publicidade de Moscou, em 2016 / Reprodução/Youtube Art-msk Cena faz parte de um vídeo produzido por uma agência de publicidade de Moscou, em 2016 Reprodução/Youtube Art-msk

“O que você está fazendo? Devolva o sutiã para a atriz!”, ouve-se uma pessoa falando, ao risos, em uma filmagem feita por smartphone (assista abaixo). Em uma cama king size, Tomas, o guaxinim, parece determinado a tirar o sutiã de uma jovem nua, que se esforça para pegar o objeto de volta. Esta cena faz parte de um vídeo produzido pela Art-Msk, uma agência de publicidade com sede em Moscou, em agosto de 2016.

O guaxinim havia sido alugado para a empresa pelo zoológico Animals Aren’t Toys (Animais não são brinquedo, em tradução livre), que não sabia exatamente qual seria a proposta dos publicitários. Após descobrirem que o vídeo apresentava uma modelo nua brincando com o animal, a direção do zoológico decidiu processar a agência.

Como tudo começou

De acordo com o site de notícias russo TJournal, o zoológico foi informado de que o guaxinim seria apresentado em um anúncio para uma marca de cobertores e toalhas. Dias depois, o site da Art-Msk publicou algumas fotos do ensaio nas quais a modelo aparece cobrindo os seios com o animal. “A emocionante história de amor de uma garota e um guaxinim chega em breve aos canais de TV federais”, dizia a legenda.

Assista ao vídeo abaixo


Os administradores da Animals Aren’t Toys exigiram a remoção imediata das fotos do site, mas o pedido foi ignorado pela agência.

Em outubro passado, dois meses após o aluguel, o zoológico entrou com um processo judicial contra a empresa, mas o tribunal não fixou a data para o julgamento do caso. No último dia 14 de março, os proprietários do guaxinim retomaram o processo.

Associações eróticas

Na ação contra a agência, os advogados do zoológico citam a Declaração Universal do Bem-Estar Animal (apesar de este acordo proposto ainda não ter sido adotado pela ONU e, como tal, não ter peso jurídico), segundo a qual os animais são seres com sentimentos e, portanto, seu bem-estar deve ser uma questão digna de respeito.

“E o guaxinim não pode representar a si mesmo”, alega a defesa.

Leia também: Tamanduá é flagrado dentro de agência de GO

A queixa principal é que “a ré infligiu dano a toda a população de guaxinins”, acrescentando que “a partir de agora, toda pessoa que assistir a esse vídeo ou vir uma dessas fotos associará guaxinins diretamente com as artes eróticas”.

O zoológico não busca recompensa financeira por meio do processo, garantem os advogados. “O objetivo é que as fotos de Tomas sejam deletadas do site da agência.”

Segundo Aleksandr Kulaguin, especialista da organização Tribuna de Proteção dos Animais, a reivindicação do zoológico é a primeira tentativa na história da Rússia de debater judicialmente a angústia emocional causada a um animal. No entanto, ele acredita haver poucas chances de vencer a batalha legal.

“Não existe um sistema coeso de direitos dos animais na Rússia – aliás, no mundo”, disse Kulaguin à Gazeta Russa. “Não há nenhuma maneira de provar que a filmagem com uma mulher nua é prejudicial para os guaxinins.”

Desculpa alternativa


Enquanto o zoológico acusa a agência publicitária de criar uma imagem de mídia negativa para os guaxinins, a Art-Msk afirma ser ela a parte lesada no episódio.

“O vídeo não é erótico, foi concebido para exibição nos canais de TV federais”, disse Valéri Bogatov, diretor do departamento de marketing da empresa, ao site Life.ru.

Você viu? Perus fazem ritual ao redor de gato morto; assista

Segundo Bogatov, a empresa foi prejudicada uma vez que o vídeo jamais foi mostrado ao público. “O cliente que encomendou o comercial estava descontente com a polêmica envolvendo o guaxinim e se recusou a pagar pelo anúncio”, explicou.

O marqueteiro alegou ainda que a modelo também sofreu danos – após algumas tomadas, o guaxinim teria, enfim, roubado e comido o sutiã da modelo. Para Bogatov, a agência poderia agora exigir uma indenização pela lingerie perdida.

O trauma de Tomas

De acordo com os funcionários do zoológico, após a gravação, o guaxinim ficou visivelmente perturbado e mostrava um comportamento incomum: triste, passou o tempo todo na jaula e até atacou outro guaxinim.

“O pior é que começamos a notar que ele vinha tentando pegar nos seios de outros mulheres”, disse o porta-voz do zoológico, Víktor Kiriukhin, ao TJournal.

Passados oito meses, Tomas voltou a demonstrar seu antigo comportamento. “Ele está muito bem agora, é muito enérgico e alegre. No entanto, associar animais a erotismo é extremamente imoral”, acrescentou Kiriukhin.

Jogada de marketing?

Enquanto Tomas retomava sua rotina, e o zoológico dava andamento ao processo contra a Art-Msk, uma nova versão emergiu: o conflito não passaria de uma jogada de marketing cautelosamente projetada para proporcionar lucro a ambas as partes.

O canal de TV russo 360 destaca que, no anúncio publicado em junho de 2016, a agência buscava um guaxinim de zoológico para desenvolver uma “campanha promocional baseada em controvérsia”.

“Você tem um guaxinim? Você quer que o seu zoológico ganhe destaque na mídia? Você gosta de polêmica? Caso sim, entre em contato conosco!”, dizia o anúncio.

Ambos os lados refutaram essa teoria, contudo. Bogatov, da Art-Msk, diz que a controvérsia deveria acontecer após a publicação do comercial e que o drama envolvendo o zoológico atrapalhou o plano original. Já Kiriukhin, do Animals Aren’t Toys, insiste que o zoológico foi ultrajado e jamais teria cooperado com a agência se tivesse ciência da verdadeira natureza do anúncio.

Leia outras notícias da Gazeta Russa 

Assista também: Tartaruga é operada pós engolir 915 moedas na Tailândia