Tamanho de fonte
Atualizado em sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017 - 21h35

Escolhido por Trump recusa cargo de conselheiro

Harward foi convidado a assumir posto na segurança deixado por Flynn
O vice-almirante Robert Harward comandou tropas no Iraque e Afeganistão após o 11 de setembro / Marinha dos EUA via Reuters O vice-almirante Robert Harward comandou tropas no Iraque e Afeganistão após o 11 de setembro Marinha dos EUA via Reuters

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, passou por outra saia-justa. O vice-almirante Robert Harward se recusou a assumir o posto de conselheiro de Segurança Nacional, ocupado por Michael Flynn, que renunciou em meio a um escândalo envolvendo a Rússia.

De acordo com a imprensa local, a negociação entre Trump e Harward travou porque o vice-almirante impôs como condição levar sua própria equipe e formar todas as pessoas. Harward teria feito oposição à manutenção da vice de Flynn, K.T. McFarland, no posto, como Trump tinha prometido ao funcionário.

Ex-Navy Seal, umas das principais forças de operações especiais da Marinha dos EUA, Harward, de 60 anos, serviu como vice-líder do comando central do Pentágono na gestão de James Mattis, de quem é amigo e aliado. O militar também guiou forças norte-americanas no Iraque e no Afeganistão por seis anos após o 11 de setembro.

Jornal da Band: Oficial da Marinha nega convite de Donald Trump


Em comunicado, Harward explicou que rejeitou o cargo por "exigir 24 horas de trabalho, sete dias por semana". "Nesse momento, não posso assumir esse compromisso", disse. Michael Flynn renunciou ao seu cargo de conselheiro de Segurança Nacional após as autoridades e a imprensa descobrirem que ele mentiu sobre contatos que fizera com diplomatas russos antes das eleições presidenciais de novembro de 2016.

 
Leia: 
Embaixadora dos EUA na ONU apoia '2 Estados' no Oriente Médio
EUA: Comércio fecha no 'Dia Sem Imigrantes'
México: Protesto contra Trump reúne 20 mil pessoas