Tamanho de fonte
Atualizado em sábado, 18 de março de 2017 - 21h30

Juízes de imigração serão redistribuídos para acelerar deportações nos Estados Unidos

Ainda nos EUA, agência abriu concorrência para construção de muro
Planos para intensificar deportações seguem a linha da campanha do presidente Trump / Kamil Krzaczynski/Reuters Planos para intensificar deportações seguem a linha da campanha do presidente Trump Kamil Krzaczynski/Reuters

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos está desenvolvendo planos para temporariamente redistribuir juízes de imigração ao redor do país em 12 cidades para acelerar as deportações de imigrantes ilegais que foram acusadas de cometer crimes, de acordo com dois oficiais da administração.

 

Quantos juízes serão redistribuídos e quando eles serão enviados ainda está sendo avaliado, de acordo com os oficiais, mas o Departamento de Justiça começou a solicitar voluntários para o deslocamento.

 

As cidades em questão são Nova York; Los Angeles; Miami; Nova Orleans; São Francisco; Baltimore, Bloomington, Minnesota; El Paso, Texas; Harlingen, Texas; Imperial, Califórnia; Omaha, Nebraska e Phoenix, Arizona. Foram escolhidas porque são cidades onde há muita população de imigrantes legais com acusações criminais, disseram os oficiais.

 

Uma porta-voz do Gabinete Executivo de Revisão de Imigrantes do Departamento de Justiça, que administra as cortes de imigração, confirmou que as cidades foram identificadas como destino provável para a redistribuição de juízes de imigração, mas não de mais detalhes.

 

Os planos para intensificar deportações seguem a linha da promessa feita frequentemente pelo presidente Donald Trump durante a campanha, no ano passado, de deportar mais imigrantes ilegais envolvidos em crimes.

 

EUA abrem concorrência para construção de muro com México

 

A Agência Alfandegária e de Proteção de Fronteiras dos Estados Unidos (CBP, na sigla em inglês) abriu oficialmente a concorrência para empresas que desejam projetar e construir um muro de ao menos 5,5 metros de altura na fronteira com o México.

 

O pedido por propostas, divulgado no site da agência na noite de ontem, é um dos últimos passos do governo de Donald Trump para entregar uma promessa de campanha, e acontece apesar de desafios significativos na parte legal e jurídica.

 

Segundo o documento, o governo irá considerar propostas para dois projetos separados do muro: uma parede de concreto sólido e uma feita com um material "alternativo". Ele deve ligar a cidade de San Diego até Brownsville, no Texas, ter uma altura ideal de 9,15 metros e mínima de 5,5 metros.

 

A construção deve ser "fisicamente imponente em altura" e "esteticamente agradável" em sua cor, textura e outros aspectos. Essa última diretriz, no entanto, vale apena para a face norte do muro, que dá para os Estados Unidos.

 

No documento publicado online, a CBP não especifica que tipo de material deve ser usado no muro nem dá detalhes sobre como ele será financiado.

 

Em seu projeto orçamentário, revelado na semana passada, Trump pediu US$ 4 bilhões para começar a planejar e construir o muro, número bem menor que os US$ 21 bilhões estimados pelo Departamento de Segurança Nacional.

 

*Com informações da Dow Jones Newswires

 

Leia também:
Reunião evidencia distância entre Trump e Merkel