Tamanho de fonte
Atualizado em quinta-feira, 13 de julho de 2017 - 20h06

Bolsa usada por Armstrong na Lua irá a leilão por US$ 4 mi

Objeto histórico teve seu paradeiro desconhecido por anos
Bolsa foi utilizada para transportar amostra do solo da Lua e ainda tem vestígios de poeira lunar / Brendan McDermid/Reuters Bolsa foi utilizada para transportar amostra do solo da Lua e ainda tem vestígios de poeira lunar Brendan McDermid/Reuters

A bolsa usada pelo astronauta norte-americano Neil Armstrong para trazer à Terra as primeiras amostras do solo da Lua deve ser vendida por até US$ 4 milhões (cerca de R$ 12 milhões) quando for leiloada junto com outras relíquias espaciais na cidade de Nova York na próxima semana.

Entre os objetos disponíveis na casa de leilões internacional Sotheby's estão o plano de voo da Apollo 13 com anotações da equipe, um traje espacial utilizado pelo astronauta norte-americano Gus Grissom, e fotografias da Lua tiradas pela Nasa.

Data comemorativa

O leilão acontecerá em 20 de julho, 48º aniversário do primeiro pouso na Lua e os organizadores esperam receber um grande público.

"[O espaço] é um dos poucos temas que eu acho que não são culturalmente específicos. Não importa sua religião, de onde você é, que língua você fala", disse a vice-presidente e especialista sênior da Sotheby's, Cassandra Hatton. "Todos temos em comum a experiência de olhar para o céu e nos perguntarmos o que está acontecendo entre as estrelas."

História de cinema

O destino da bolsa, que mede cerca de 30 por 20 centímetros e tem a inscrição "retorno de amostra lunar", ficou por décadas desconhecido, depois que Armstrong e sua equipe da Apollo 11 chegaram em casa em julho de 1969.

Durante anos, ficou em uma caixa não identificada no Johnson Space Center em Houston, disse Hatton.

A bolsa finalmente apareceu na garagem do gerente de um museu do Kansas, Max Ary, que foi condenado por seu roubo em 2014, de acordo com registros do tribunal.

O objeto foi apreendido pelo US Marshals Service, que o colocou em leilão três vezes, sem lances, até que foi comprado em 2015 por 995 dólares por uma advogada da área de Chicago, Nancy Lee Carlson.

Ela enviou a bolsa para autenticação da Nasa, e quando os testes revelaram que tinha sido usado por Armstrong e ainda tinha vestígios de poeira lunar, a agência espacial dos Estados Unidos decidiu mantê-la.

Carlson processou com sucesso a Nasa para recuperar a bolsa, e a atenção criada pelo processo judicial gerou muito interesse de potenciais compradores, de acordo com a Sotheby's, o que levou Carlson a decidir leiloá-la novamente.

Você viu?
Telescópio vai rastrear vida fora da Terra
Astronautas poderão assar pão em estação espacial


Jornal da Band: Arquivo Nacional libera arquivos sobre aparições de OVNIs