Tamanho de fonte
Atualizado em sexta-feira, 14 de julho de 2017 - 16h45

EUA diz que não podem provar morte de líder do EI

Al-Baghdad teria morrido em um ataque aéreo da Rússia, segundo ONG
Líder do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi, em foto de 2014 / Reprodução/Reuters Líder do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi, em foto de 2014 Reprodução/Reuters

O secretário de Defesa norte-americano, Jim Mattis, disse nesta sexta-feira que os Estados Unidos não podem provar se o líder máximo do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi, está morto.

No início desta semana, o Observatório Sírio para Direitos Humanos disse ter "confirmado a informação" de que Baghdadi foi morto, mas autoridades do Ocidente e do Iraque se mostraram céticas.

"Se nós soubéssemos, nós diríamos. Agora, eu não posso confirmar ou negar", disse Mattis. "Nossa abordagem é que nós presumimos que ele está vivo até que seja provado o contrário, e agora, eu não posso provar o contrário".

Cessar-fogo

Mattis acrescentou que um cessar-fogo no sudoeste da Síria está resistindo até agora.

Estados Unidos, Rússia e Jordânia anunciaram o cessar-fogo e um "acordo de desescalada" para o sudoeste do país após um encontro entre os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da Rússia, Vladimir Putin, em uma cúpula do G20 em Hamburgo, na Alemanha.

Veja também: Terroristas do Estado Islâmico se rendem no Iraque


Leia mais:
Tiroteio deixa mortos em frente ao Monte do Templo
Iraque: Coalizão confirma derrota do Estado Islâmico em Mosul