Tamanho de fonte
Atualizado em domingo, 16 de julho de 2017 - 18h19

Neve prende centenas de brasileiros em aeroporto argentino

Região de Bariloche é atingida por nevasca que vem cancelando voos
Estacionamento do Aeroporto de Bariloche fotografado neste domingo / iumiratravel/Instagram Estacionamento do Aeroporto de Bariloche fotografado neste domingo iumiratravel/Instagram

Cerca de 300 pessoas, a maioria de nacionalidade brasileira, aguardam a reabertura do Aeroporto Internacional Teniente Luis Candelaria, em Bariloche, na Argentina.

Nos últimos dias, as operações vêm sofrendo interrupções por causa de uma nevasca que atinge a Patagônia.

Uma das turistas é Luciana Gurgel, que se queixou da falta de calefação no terminal, onde muitos passageiros são obrigados a aguardar sentados no chão do aeroporto – ela é dona de uma agência de viagens, mas está em férias e não imaginou que enfrentaria tantos transtornos em Bariloche.

Outra passageira, a coordenadora de recrutamento de Recursos Humanos Ismênia Pires, estava com o voo marcado para o meio-dia de sábado (15), mas assim que chegou ao terminal foi informada que a partida foi cancelada. Ela conta que enfrentou uma fila de mais de sete horas para receber informações e ainda assim ficou à noite no saguão, com as duas filhas e o marido.

O voo da família está previsto para as 22h deste domingo (16), pelo horário de Brasília. Se os quatro conseguirem embarcar para Buenos Aires ainda terão o desafio de remarcar a conexão para voltar para São Paulo.

Em comunicado nas redes sociais, a Aerolíneas Argentinas informa que acompanha as condições climáticas para retomar todos os serviços. Além disso, por ser uma situação meteorológica, a companhia decidiu oferecer o reembolso do montante das passagens na mesma forma de pagamento em que a compra foi feita.

O Aeroporto de Bariloche ficou com o acúmulo de mais de 50 centímetros de neve na pista. A previsão dos meteorologistas é de possibilidade de queda de neve também no Brasil, nas serras catarinense e gaúcha.

Leia mais:
Cientistas ainda estudam consequências de iceberg gigante
Nevasca nos Estados Unidos deixa 36 mortos