Francisco completa quatro anos de papado

Jorge Mario Bergoglio enfrenta conservadores em momento de divisões

O papa Francisco completa nesta segunda-feira (13) quatro anos na liderança da Igreja Católica.

O aniversário neste ano, porém, ocorre em um momento que deixa cada vez mais em evidência a oposição às reformas de Jorge Mario Bergoglio, o papa originário do "fim do mundo".

Apesar de ter sido considerado, desde o início, um Pontífice reformista e disposto a mexer nas estruturas da Igreja, somente agora Francisco enfrenta a ira de conservadores na prática. Em fevereiro, cartazes criticando as mudanças propostas pelo Papa foram espalhados por Roma, expondo as divergências dentro do clero.

A oposição começou a ganhar força há um ano, em 8 de abril, durante o Jubileu Extraordinário da Misericórdia e a publicação da exortação apostólica "Amoris Laetitia", na qual o Papa escreveu suas conclusões sobre os dois sínodos convocados por ele para discutir questões familiares e o posicionamento da Igreja Católica.

No documento, Francisco abriu espaço para que os sacerdotes analisem "caso por caso" de divórcios ou outras separações matrimoniais, assim como a confissão de crimes de aborto, propondo que os religiosos "acompanhem" e "acolham" as famílias.

Leia:
Papa é recebido como popstar em universidade
Papa estampará capa de edição da Rolling Stone
Francisco faz apelo em nome de muçulmanos perseguidos

Carta criou tensão no Vaticano 

Em setembro passado, quatro cardeais conservadores, Raymond Burke, Carlo Caffarra, Walter Brandmuller e Joachim Meisner, escreveram uma carta a Francisco questionando seus posicionamentos e pedindo explicações sobre pontos que "colocavam em dúvida a doutrina católica", sobretudo em relação à possibilidade de comunhão de casais divorciados.

A carta foi divulgada publicamente pelo grupo, mas Francisco nunca respondeu a ela. Mesmo assim, a briga entre Bergoglio e o norte-americano Raymond Burke perdurou. O cardeal ameaçou o Papa com um "ato formal de correção" e protagonizou uma rebelião inédita na cúpula da Ordem de Malta. Cardeal patrono da Ordem, Burke se negou a instituir uma comissão ordenada pelo Papa para investigar o grão-chanceler Albrecht von Boeselager.

Apesar de toda oposição dentro do Vaticano, Bergoglio segue adiante em seu pontificado, participando de momentos históricos, como o acordo de retomada de relações entre Cuba e Estados Unidos, o encontro com o patriarca de Moscou e a participação nas celebrações dos 500 anos da Reforma Luterana e o apoio às negociações de paz na Colômbia e na Venezuela.

A recente demissão da Marine Collins, vítima de pedofilia, da comissão vaticana contra abusos sexuais, porém, comprova que Francisco ainda tem muito trabalho a fazer dentro e fora do Vaticano. 

Assista também: Papa se diz aberto a ordenação de homens casados 

Compartilhar

Deixe seu comentário