Paris leiloará cadeados do amor para ajudar refugiados

Organizadores esperam arrecadar até 150 mil euros com as lembranças

Os famosos cadeados da Pont des Arts de Paris, onde apaixonados de todo o mundo deixam uma demonstração de seu carinho e se juram amor eterno, serão leiloados neste sábado na capital francesa para ajudar organizações de apoio aos refugiados.

Os organizadores esperam arrecadar entre 100 mil e 150 mil euros (de R$ 342 mil a R$ 513 mil) nos 165 lotes à venda, entre os quais estão incluídos cadeados em forma de coração, alguns enganchados a uma mini Torre Eiffel, passando por outros com frases escritas em diferentes idiomas.

"Ter em sua casa demonstrações de amor de pessoas de distintas partes do planeta e em diferentes idiomas é incrível", disse Monique, interessada em um painel cheio de cadeados, cujo preço oscilará neste sábado entre 8 mil e 10 mil euros - ou o equivalente a R$ 27,3 mil e R$ 34,2 mil.

A iniciativa beneficente teve sua origem em maio de 2016, quando a prefeitura de Paris ordenou a retirada definitiva dos cadeados dos 37 corrimões da Pont des Arts, que cruza o Rio Sena e fica próxima à catedral de Notre Dame.

Veja também
ONU: 24,6 mil crianças refugiadas sob risco de desenvolver transtornos mentais 
Refugiados estão em 'campos de concentração', acusa papa Francisco

Segundo a prefeitura, a estrutura da passarela estava em risco por causa das 70 toneladas de peso desses cadeados. Para o leilão foram selecionadas, no entanto, só aquelas partes que podiam ser aproveitadas. E dessas algumas poucas estarão expostas até este sábado.

"São um símbolo da cidade", afirmou à Agência Efe Nicole Langé, que também tinha pendurado um cadeado junto com seu marido anos atrás e que quer conseguir um desses lotes, já que seria um bom presente para os filhos, que estão na Itália.

As três organizações que receberão o dinheiro arrecadado são a Solipam, que se encarrega de ajudar refugiadas engravidas; a Emmaüs Solidarité, que conta com centros de amparo para essas pessoas; e a Armée du Salut, que luta há 130 anos contra a exclusão social.

Compartilhar

Deixe seu comentário