Macron: França colaborou para morte de judeus no Holocausto

Presidente francês lembrou do ataque do Velódromo de Inverno de Paris

O presidente francês, Emmanuel Macron, denunciou a colaboração do seu país no Holocausto, criticando aqueles que ainda minimizam o papel francês no fato que causou a morte de dezenas de milhares de judeus.

No aniversário de 75 anos do ataque do Velódromo de Inverno de Paris, Macron insistiu que foi "de fato a França que organizou" o aprisionamento.

O episódio ocorreu nos dias 16 e 17 de julho em 1942, durante a Segunda Guerra Mundial. Na ação, 13.152 judeus foram detidos em Paris por policiais franceses. As vítimas foram levadas ao Velódromo de Inverno e mantidas no local em condições precárias por quatro dias.

Do Velódromo, os judeus foram deportados para Loiret, também na França. Depois, três mil crianças foram sepadas dos seus pais e enviadas para Auschwitz, na Polônia. Apenas 100 pessoas, entre elas nenhuma criança, sobreviveram. O velódromo foi demolido em 1959.

O presidente francês disse que "nenhum alemão" foi diretamente envolvido, mas frisou a polícia do seu país colaborou com os nazistas.

Macron também minimizou os argumentos dos líderes franceses de extrema-direita de que o regime colaboracionista de Vichy não representava o estado francês, ao dizer que esse é um discurso "conveniente, mas falso".

Leia mais:
Crivella lança Memorial às Vítimas do Holocausto no RJ
Memorial do Holocausto vira cenário para selfies

Compartilhar

Deixe seu comentário