EUA: seis candidatos concorrem à presidência

Entenda porque Obama e Romney recebem mais a atenção do público e da mídia

Os dois candidatos à presidência dos EUA são Mitt Romney e Barack Obama, certo? Errado. Neste ano há seis pessoas concorrendo à Casa Branca. Além dos dois citados estão na disputa Gary Johnson, Rocky Anderson, Jill Stein e Virgil Goode. O Portal da Band entrevistou especialistas para falar sobre os motivos pelos quais somente dois partidos dominam a discussão política no país. 

Veja quem são os candidatos nanicos à Casa Branca

A realidade é que pouco se ouve falar sobre os quatro candidatos dos chamados partidos independentes ou “third party”.

Segundo o professor de Relações Internacionais da Unesp, Marcelo Fernandes de Oliveira, o financiamento do governo é encaminhado para a campanha dos maiores partidos e por isso a tendência é que os políticos se agreguem a eles. 

“Os partidos pequenos dificilmente conseguem o número mínimo de representantes para ter acesso a esse dinheiro, por isso suas campanhas não têm magnitude suficiente para que eles sejam convidados aos debates, por exemplo”, explica. 

Segundo o professor de Relações Internacionais da ESPM, Heni Ozi Cukier, o sistema americano é completamente majoritário, por isso quase não existem representantes de outros partidos no Congresso. “O candidato ganha ou perde, não existe proporcionalidade como no Brasil”, esclarece. 

“Os EUA têm uma tradição, uma cultura na qual as pessoas já se colocam como Republicanos ou Democratas. Existem algumas exceções como o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, que é do partido Independente. No entanto ele utilizou seus vastos recursos econômicos pessoais na campanha e, por isso, conseguiu ganhar espaço”, explica Cukier. 

Com esse investimento até existe a possibilidade de um presidente ser eleito em outro partido, mas, segundo Cukier, ele não conseguiria governar por falta de apoio no Congresso. 

Para Marcelo, esses partidos não conseguem muito espaço em eleições presidenciais por conta da independência das federações no país. 

“Os partidos menores buscam discutir assuntos que não são normalmente cuidados pela presidência americana. A vida democrática nos EUA acontece nas federações. A presidência acaba tratando de temas comuns como defesa, segurança, política externa” completa Oliveira. 


Democracia

A existência de apenas dois partidos fortes no país poderia ser vista como um bloqueio à democracia, já que as discussões acontecem de forma bilateral. 

No entanto, Heni Ozi Cukier considera que o sistema é mais democrático do que o de países como o Brasil, por exemplo. 

“O sistema político americano é fundamentado em ideias e princípios mais complexos e ideológicos. O estado de direito é o que ajuda a aperfeiçoar o sistema perante os cidadãos e não discussões na Câmara”, conta. 

“A realidade é que quando existem apenas dois partidos eles acabem sendo mais de centro. Isso ajuda o sistema a não travar. Leis são aprovadas mais rapidamente e atitudes são tomadas sem tantas discussões”, completa Cukier. 

Compartilhar

Deixe seu comentário