Frigoríficos investigados poderão continuar vendendo no mercado interno do país, diz Maggi

Segundo o ministro, as empresas estão passando por fiscalização especial

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, disse nesta segunda-feira que os frigoríficos investigados pela Operação Carne Fraca não poderão exportar, mas continuam autorizados a vender ao mercado doméstico sob um regime especial de fiscalização.

Mesmo com os problemas mencionados pela investigação, o ministro reafirmou a confiança na carne brasileira, ressaltando que o sistema de fiscalização do Brasil não foi quebrado e que as irregularidades se restringiram a algumas empresas.

Ao lembrar que a investigação levou dois anos e que os casos reportados se referem – muito provavelmente – a produtos que não estão mais no mercado, Maggi explicou que os frigoríficos investigados poderão continuar vendendo ao mercado doméstico, o que deve prevalecer por pelo menos três semanas.

"O consumidor pode consumir com tranquilidade o produto brasileiro", disse em entrevista na portaria do Ministério.

Sistema de Inspeção Federal

Para o ministro, não há nenhuma preocupação para o consumidor brasileiro, que continua sendo protegido pelo Sistema de Inspeção Federal (SIF) do Ministério da Agricultura.

"O SIF não está sob suspeita. O que está sob suspeita são as pessoas", disse. "Espero deixar o assunto circunscrito aos 21 frigoríficos citados na investigação."

Entretanto, os 21 investigados tiveram suas licenças de exportação temporariamente suspensas pelo Governo Federal.

Recall

Quando há problema, frigoríficos podem fazer um recall da carne – ou seja, retirar o produto do mercado. Essa solução foi adotada pela BRF, que está retirando lotes com o selo de inspeção "SIF 1010".

Maggi disse ainda que o ministério está colhendo amostras de carne nos supermercados e, caso encontre problemas, vai recomendar a retirada das mercadorias.

Respeito à sanidade

O ministro fez questão de frisar que toda a preocupação do Ministério da Agricultura diz respeito à sanidade dos produtos brasileiros.

"A corrupção é uma questão da Polícia Federal", disse Maggi. "Não vamos nos contrapor à ação da Polícia Federal", disse.

Você viu?
'Carne Fraca' poderá afetar vendas no exterior
Carne Fraca: “Avalanche de desinformação”
Temer: esquema de fraude em frigoríficos atinge pequena parte do setor

Compartilhar

Deixe seu comentário