STF determina afastamento de Aécio Neves

Senador e presidente nacional do PSDB foi citado na delação do empresário Joesley Batista

O Supremo Tribunal Federal afastou o senador Aécio Neves (PSDB) e o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB) de seus cargos no Congresso Nacional após pedido da Procuradoria-geral da República com base na delação de Joesley Batista e pessoas ligadas ao grupo J&F. Aécio foi gravado solicitando R$ 2 milhões ao empresário e Rocha Loures foi filmado pela Polícia Federal recebendo valores do empresário.

Na conversa gravada, Joesley e Aécio negociam de que forma seria feita a entrega do dinheiro. O empresário teria dito que se o senador recebesse pessoalmente o dinheiro, ele mesmo, Joesley, faria a entrega. E, se Aécio mandasse um preposto, o empresário faria o mesmo. Foi quando o senador disse a seguinte frase: "Tem que ser um que a gente mata ele antes de fazer delação. Vai ser o Fred com um cara seu. Vamos combinar o Fred com um cara seu porque ele sai de lá e vai no cara. E você vai me dar uma ajuda do c***.".

Leia mais:
'Se JBS delatar, será o fim da República', disse Cunha

O "Fred" citado no diálogo é Frederico Pacheco de Medeiros, primo de Aécio, ex-diretor da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) e um dos coordenadores da campanha do tucano à Presidência em 2014. O responsável pela entrega teria sido o diretor de Relações Institucionais da JBS, Ricardo Saud, de acordo com a reportagem do jornal.

Rocha Loures, por sua vez, teria sido filmado pela Polícia Federal recebendo cerca de R$ 500 mil em propina.

Na manhã desta quinta-feira, a Polícia Federal realizou uma operação nos imóveis de Aécio Neves no Rio de Janeiro e em Belo Horizonte e no gabinete dele em Brasília.

Veja também
Acusação contra Temer pode ser abalo irreparável a governo 
Temer nega ter agido para comprar silêncio de Cunha 
Molon apresenta novo pedido de impeachment de Temer 

Assista
O primeiro resultado é que as reformas param, diz Mitre

Compartilhar

Deixe seu comentário