Jurista diz que Moro está errado ao obrigar Lula a ir às oitivas das testemunhas de defesa

Luiz Flávio Gomes também afirmou que a quantidade de testemunhas arroladas pelo ex-presidente foi um exagero

O jurista Luiz Flávio Gomes comentou a decisão do juiz Sérgio Moro de obrigar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a comparecer às oitivas das 87 testemunhas de defesa.

Gomes explicou que, antes da reforma do Código de Processo Penal em 2009, o réu era obrigado, sim, a acompanhar tudo e ainda dentro do plenário do júri. O jurista participou da elaboração desta reforma.

“Fizemos uma mudança - e o legislador aceitou – para que o réu escolha se quer ir ou não [às oitivas], inclusive em crimes mais graves [que o de Lula], embora este seja um caso muito sério, ainda mais neste momento”, afirmou o jurista em entrevista ao programa Bastidores do Poder, da Rádio Bandeirantes.

“Mas, até no plenário do júri o réu não é mais obrigado a ir, porque tem advogado, e o advogado cumpre o papel de questionar [as testemunhas].”

Ouça:

Luiz Flávio Gomes ainda comentou a quantidade de testemunhas que a defesa do ex-presidente arrolou - 87 ao todo.

“É um exagero, [a defesa] abusou do direito de arrolar testemunhas. Isso [a quantidade de testemunhas] tem um propósito nitidamente procrastinatório; querem enrolar”, pontuou.

Leia ainda: 
Lula tenta se blindar de grampo da Lava Jato, diz colunista
Dilma pede análise de entrevista com Temer como prova contra impeachment
Protesto contra Reforma da Previdência gera quebra-quebra no Congresso

Compartilhar

Deixe seu comentário