Acusação contra Temer pode ser abalo irreparável a governo

Presidente teria comprado o silêncio o ex-deputado Eduardo Cunha

As acusações de que o presidente Michel Temer deu aval para que o empresário Joesley Batista, um dos donos do frigorífico JBS, comprasse o silêncio do ex-deputado federal Eduardo Cunha podem representar um abalo irreparável ao governo e afetarão as reformas que o Palácio do Planalto quer ver aprovadas no Congresso, disseram analistas ouvidos pela Reuters.

"É difícil afirmar que a pinguela caiu, mas que a pinguela balançou muito nesta noite, balançou. Ela sofreu um grave abalo que não se sabe se ela vai se manter ainda íntegra", disse o cientista político do Insper Carlos Melo, em uma referência à declaração do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que se referiu ao governo Temer como uma "pinguela", uma ponte precária.

"Esse quadro me lembra muito o quadro do Delcídio Amaral", acrescentou Melo, recordando o caso do ex-senador que foi preso e posteriormente teve o mandato parlamentar cassado após ser gravado em uma conversa em que oferecia dinheiro, influência junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) e uma rota de fuga em troca do silêncio do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró na Lava Jato.

Veja também
Temer nega ter agido para comprar silêncio de Cunha 
Deputado Molon protocola novo pedido de impeachment de Temer

De acordo com O Globo, Joesley Batista gravou uma conversa com Temer na qual contou ao presidente que pagava uma mesada a Cunha e ao doleiro Lucio Funaro, um dos operadores da Lava Jato, em troca do silêncio de ambos, que estão presos. Temer teria respondido: "Tem que manter isso, viu?" A gravação seria parte de tratativas para um acordo de delação premiada de Joesley e de pessoas ligadas à JBS.

Três fontes com conhecimento do assunto disseram à Reuters que o conteúdo da matéria de O Globo é correto.

Em nota, Temer negou que tenha solicitado pagamento para obter o silêncio de Cunha.

"Dessa vez vai ser praticamente impossível alguma operação de engenharia política para garantir a estabilidade do governo", disse o cientista político e professor da Unicamp Roberto Romano. "A instabilidade política veio de vez. O ambiente vai ficar muito imprevisível."

Reformas em Xeque

O terremoto causado pelas acusações contra Temer, disseram analistas e economistas, terá impacto direto na tramitação das reformas trabalhista e da Previdência, que o presidente tenta aprovar no Congresso Nacional. Após a divulgação da reportagem de O Globo, o Congresso se esvaziou e a oposição anunciou que pedirá o impeachment do presidente.

"A denúncia atrapalha o andamento das reformas no Congresso. Hoje, o mercado tinha um cenário benigno para o Brasil e pode haver um efeito manada (de saída do país). O país fica no escuro", disse a economista-chefe da XP Investimentos, Zeina Latif.

Em relatório, a consultoria política Arko Advice apontou que o episódio gera "dramático enfraquecimento político do governo" capitaneado por Temer e disse não descartar o abandono da agenda de reformas.

A expectativa de economistas ouvidos pela Reuters é de que os mercados financeiros reajam com força na manhã de quinta-feira às acusações contra o presidente.

Do ponto de vista político, a incerteza sobre o futuro de Temer coloca ainda mais dúvidas no horizonte. Caso o presidente deixe o posto em meio às acusações, seu sucessor terá de ser escolhido em eleição indireta realizada pelo Congresso Nacional.

"A Constituição é clara, não há possibilidade de eleições diretas, mas será que o Congresso tem legitimidade para eleger um novo presidente?", indagou o analista político Danilo Gennari, da Distrito Relações Governamentais, sediada em Brasília.

Compartilhar

Deixe seu comentário