Trecho sobre o Cade é o mais grave da delação, dizem aliados

Temer pede para o deputado Rocha Loures “ajudar a destravar” problemas da JBS no Cade, órgão que investiga cartéis

Na avaliação dos aliados do governo, o trecho mais grave da conversa de 39 minutos de Michel Temer com Joesley Batista, divulgada ontem, é quando o presidente destaca um deputado ligado a ele, Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), para “ajudar a destravar” problemas do Grupo JBS no Cade, órgão que investiga cartéis. As informações são do colunista do Metro Jornal Cláudio Humberto.

Desse contato com Loures resultou o acerto de propina de R$ 500 mil semanais por 20 anos, totalizando R$ 480 milhões, como destaca Cláudio Humberto em sua coluna desta sexta-feira.

Após a divulgação das imagens do flagrante da PF, a expectativa é que Rocha Loures será preso ao desembarcar de uma viagem que faz a Nova York.

De acordo com Cláudio Humberto, quem conhece o deputado Rocha Loures diz que, no primeiro minuto de prisão, o parlamentar vai entrar na fila dos acordos de delação. "É onde mora o perigo para Temer", destaca o colunista.

Análise

Para o governo, na gravação divulgada na quinta-feira, o presidente Michel Temer faz uma recomendação com a frase "tem de manter isso, viu?”, depois de Joesley Batista dizer “tô de bem com o Eduardo (Cunha)”.

Veja também
Eleição direta ou indireta? Os cenários para eventual queda de Temer 
Temer sabia que JBS tentou comprar procurador 
Manifestantes protestam pelo País e pedem a saída de Temer 

Assista
Temer faz pronunciamento e diz que não vai renunciar

Compartilhar

Deixe seu comentário