Azevedo: Temer defende regime parlamentarista

Se depender do presidente, país também chegará a 2022 com voto distrital misto: parte da Câmara será eleita pelos distritos e parte por voto em lista

Se depender do presidente Michel Temer e de seu esforço pessoal, o Brasil chegará a 2022 com um regime parlamentarista e com voto distrital misto: parte da Câmara será eleita pelos distritos e parte por voto em lista. A informação é do jornalista Reinaldo Azevedo, da BandNews FM.

Azevedo, aliás, conversou com Temer neste domingo. "Eu estou convencido, ainda mais depois de assumir a Presidência da República, ser esse o melhor caminho. Note, Reinaldo, que, apesar das dificuldades imensas, que todos conhecem, nós conseguimos, em um ano, avançar no Congresso como raramente se viu", declarou o presidente.

Para Temer, o parlamentarismo é o que as democracias avançadas oferecem de mais eficaz em matéria de governança, segundo Reinaldo Azevedo.

OAB pede urgência em pedidos de impeachment de Temer
Joesley: "Temer é chefe de organização criminosa"

Sobre o seu atual mandato, que termina no final de 2018, Temer pretende chegar até lá com três reformas aprovadas: a trabalhista, a da Previdência e a política.

Na quinta-feira, dia 15, ele se encontrou no Palácio do Jaburu com Rodrigo Maia, presidente da Câmara (DEM-RJ), e ambos chegaram à conclusão de que é preciso acelerar o debate e o trâmite das propostas que estão no Congresso.

Nesta terça, Maia começa a ouvir os líderes de partidos num café da manhã. Deve ser o primeiro de uma série de encontros.

Você viu? Boechat: permanência de Temer é o cenário mais provável
 

Compartilhar

Deixe seu comentário