Coreia do Sul barra importação de produtos de frango

Após Operação Carne Fraca, país disse que fornecedores brasileiros de frango terão que enviar um certificado de saúde emitido pelo governo

A Coreia do Sul vai intensificar a fiscalização de carne de frango importada do Brasil e banir temporariamente as vendas de produtos da BRF. A decisão ocorre após o escândalo deflagrado pela Operação Carne Fraca na semana passada, segundo informou o Ministério de Agricultura sul-coreano em comunicado nesta segunda-feira.

O ministério disse que fornecedores brasileiros de carne de frango terão que enviar um certificado de saúde emitido pelo governo brasileiro. Mais de 80% das 107.400 toneladas de frango importadas pela Coreia do Sul no ano passado vieram do Brasil, sendo quase metade fornecida pela BRF.

Confira a lista de empresas citadas na Carne Fraca

A Comissão Europeia disse também, nesta segunda-feira, que está monitorando as importações de carne do Brasil e que todas as empresas envolvidas em um escândalo de carne terão acesso negado ao mercado da União Europeia.

A Comissão acrescentou que o escândalo da carne não terá qualquer impacto nas negociações em curso entre a União Europeia e o Mercosul, no qual os dois lados esperam chegar a acordos sobre livre comércio.

De acordo com a Polícia Federal (PF), os frigoríficos envolvidos no esquema criminoso colocavam ácido ascórbico em carnes vencidas e as reembalavam para venda nos mercados interno e externo.

Carne Fraca: executivo é preso ao desembarcar em SP 

A operação Carne Fraca encontrou uma série de irregularidades na fabricação e comercialização de proteínas no Brasil, com investigação concentrada no Paraná, mas também com desdobramentos em outros Estados, como Goiás e Minas Gerais.

A operação apura o envolvimento de fiscais do Ministério da Agricultura em esquema de liberação de licenças e fiscalização irregular de frigoríficos, incluindo grandes empresas como BRF e JBS.

Leia mais
'Carne Fraca' poderá afetar vendas no exterior
Planalto: carnes servidas a Temer eram brasileiras

O presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, disse que a imagem do Brasil no estrangeiro vai ser muito afetada, de forma negativa, pelo resultado das investigações da Polícia Federal (PF) que culminaram na Operação Carne Fraca.

Para Castro, a situação é preocupante, porque o Brasil demorou muito tempo para consolidar sua participação no mercado internacional e hoje é um dos grandes exportadores de carne. "Então, com isso, a imagem do país, vai ser muito afetada.”

Confira também
Seria pior se descobrissem lá fora, diz especialista
Partidos e produtores europeus pedem suspensão de carne brasileira

Compartilhar

Deixe seu comentário