BandNews FM BH
Nativa FM 103,9
Tamanho de fonte
Atualizado em sexta-feira, 30 de maio de 2014 - 08h27

PMs admitem retirar moradores de rua na Copa

Polícia Militar promete que, se for preciso, usará a força para remover pessoas em situação de rua do perímetro isolado da Fifa.
Moradores de rua têm 900 vagas em abrigos / Emmanuel Pinheiro | Metro BH Moradores de rua têm 900 vagas em abrigos Emmanuel Pinheiro | Metro BH

A Polícia Militar anunciou nesta quinta-feira que fará remoções de pessoas em situação de rua durante a Copa do Mundo, entre junho e julho, mesmo se for preciso o uso da força. A intervenção ocorrerá se o morador de rua se recusar a sair do perímetro isolado da Fifa e dos territórios adjacentes da Pampulha. Entidades de proteção a esse público ameaçam até a apelar a organizações internacionais para evitar a decisão.

 

 “Se a permanência não for permitida, ele [pessoa em situação de rua] será convidado a se retirar nos limites que a lei determina. Se ele se recusar com força, a PM usará da força proporcional, conveniente, oportuna e necessária para restabelecer a lei”, explicou o porta-voz da Polícia Militar mineira, major Gilmar Luciano.

 

O Centro Nacional de Defesa dos Direitos Humanos da População de Rua e Catadores de Materiais Recicláveis encaminhou uma orientação de como deve ser o trato com o morador de rua ao policiamento especializado e da capital. “A retirada das pessoas é completamente vedada. Vamos tomar todas as providências, até fora do território brasileiro, para evitar que isso aconteça”, afirma a advogada da entidade, Maria do Rosário de Oliveira.

 

Segundo o censo realizado pela prefeitura, 1.827 pessoas vivem ao relento hoje em Belo Horizonte.

 

Reforço

 

A Secretaria Municipal de Políticas Sociais anunciou nesta quinta-feira que aumentará em 30% o número de agentes para atender as pessoas em situação de rua. No entanto, a administração pública garante que não realizará recolhimento compulsório.

 

 

“Não acreditamos que essa seja a melhor medida e não temos esse tipo de conduta. Portanto, as pessoas vão ficar na cidade participando da festa como quiserem, orientadas a estar no espaço público de maneira regular. Isso significa que elas não podem fazer desse espaço uma condição de moradia”, diz a coordenadora do Comitê de População de Rua, Soraya Romina.