BandNews FM BH
Nativa FM 103,9
Tamanho de fonte
Atualizado em terça-feira, 18 de junho de 2013 - 15h28

PM atira bombas de gás em manifestantes de BH

Protesto até às 17h ocorria de forma pacífica
 / Julia Machado Julia Machado

O primeiro confronto entre a Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG) e manifestantes aconteceu na avenida Antônio Carlos, região Norte de Belo Horizonte, e deixou pelo menos três feridos, na tarde desta segunda-feira.


A PMMG lançou bombas de gás lacrimogêneo para conter os participantes da passeata que fechou a Praça Sete, um dos principais pontos da região Central de Belo Horizonte, e seguiu para o Estádio Mineirão, na tarde desta segunda-feira. A manifestação ocorria de forma pacífica até às 17h.


Segundo o Tenente Coronel Alberto Luiz, bombas de efeito moral foram usadas porque os manifestantes tentaram ultrapassar a barreira criada pela Polícia. Ele afirma que balas de borracha não foram utilizadas, porém vítimas já foram identificadas.

 

"Um incêndio causado pelos manifestantes na avenida Antônio Carlos, teve que ser combatido pelo helicóptero da Polícia Militar, pois o Corpo de Bombeiros não havia sido acionado", disse o Tenente.

 

Cerca de 20 mil pessoas saíram em protesto, nesta segunda-feira, durante a estreia da Copa das Confederações na capital. Até o fim da tarde a manifestação permanecia pacífica. Ainda não há informações sobre o número de feridos no local. O grupo quer chegar ao Estádio antes do fim do jogo entre a Nigéria e o Taiti, que começou às 16h.

 

Entre o grupo estão estudantes, servidores da educação estadual, da polícia civil, entre outras causas.

 

Ínicio da passeata desta segunda-feira


Mais de dois mil manifestantes fecharam a Praça Sete, um dos principais pontos da região Central de Belo Horizonte, na tarde desta segunda-feira. O movimento foi organizado por meio de redes sociais. A multidão se concentrou por volta das 13h e deu início a uma passeata em direção ao Estádio Mineirão, onde acontece a estreia da Copa das Confederações em Minas com o jogo entre Nigéria e Taiti, às 16h. Representantes do Sindicato Único dos Trabalhadores da Educação de Minas Gerais (Sind-UTE MG) também iniciaram um protesto na região Norte da capital. Os grupos se uniram com o objetivo de dar mais força ao movimento.



Os protestos na cidade mineira ganharam força após o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) divulgar liminar, na última quinta-feira, que proibia manifestações durante a Copa da Confederações. Nesta segunda-feira, apesar de os sindicatos dos profissionais da educação e da Polícia Civil (Sindpol) entrarem com pedido de cancelamento da liminar que proibia manifestações em vias públicas, o TJMG manteve a decisão, sob sansão de multa de R$ 500 mil por dia.


Os policiais  civis informaram que não vão aderir às manifestações, já que o recurso contra a liminar não foi aceito. Já o sindicato da educação garantiu que os protestos vão ocorrer normalmente, como já era previsto.



 

Os manifestantes usaram cartazes com críticas à Fifa, ao elevado gasto do dinheiro público com a Copa das Confederações e ao valor das passagens do transporte coletivo. O grupo ocupou o entorno do pirulito na praça e interditou o cruzamento das avenidas Afonso Pena e Amazonas. O trânsito ficou lento na região Central, com reflexos principalmente em toda a extensão das duas vias.